rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Detenção África África Lusófona Cabo Verde Polícia Droga

Publicado em • Modificado em

Em Cabo Verde PJ apreende 521 quilos de cocaína

media
Odair Santos/RFI

A Polícia Judiciária apreendeu na madrugada de hoje 521quilos de cocaína numa praia da ilha de São Vicente. Na operação denominada "Pérola Negra", nove pessoas foram detidas. São seis espanhóis, um cabo-verdiano, um cubano e um sueco. A droga é oriunda da América Latina e tinha como destino a Europa.


Na operação denominada "Pérola Negra" a Polícia Judiciária de Cabo Verde apreendeu 521 quilos de cocaína pura e deteve nove indivíduos. Seis homens foram detidos numa viatura com a droga a poucos quilómetros da cidade de Mindelo e os outros três detidos, são os tripulantes da embarcação de recreio que trouxe os estupefacientes até ao arquipélago.

Segundo a PJ a droga que vinha do Brasil, América Latina, foi desembarcada em Salamasa, uma praia que se encontra a norte da Baia das Gatas, e tinha como destino a Europa. Para além da droga foram ainda apreendidas várias viaturas, o barco que servia para transportar a droga e uma arma de fogo e as buscas continuam nas casas dos suspeitos.

A imprensa caboverdiana avançou que os suspeitos, que integram uma rede nacional de tráfico de droga entre a ilha de São Vicente e a ilha de Santiago confiaram no facto de a PJ ter marcado uma greve para o dia 4 de Novembro - mas que foi suspensa - para arriscar o desembarque.

A operação resulta de mais de cinco meses de investigação e os nove detidos deverão ser apresentados ao juiz no prazo de 48 horas.

Esta é a segunda maior apreensão de droga no arquipélago, depois da operação "Lancha Voadora" revelada ao público a 8 de Outubro de 2011com a descoberta de 1, 5 toneladas de cocaína em elevado estado de pureza, escondida na cave de um prédio da Cidade da Praia. Durante esta operação foram igualmente apreendidos milhares de euros e de outras moedas, milhões de Escudos cabo-verdianos, viaturas, armas e munições.

A 28 de Junho de 2013, o Tribunal da Comarca da Praia condenou nove dos 15 arguidos a penas de prisão efectiva entre os nove e os 22 anos, dando como provadas as acusações de associação criminosa e lavagem de capitais.

No dia 18 de Julho de 2013 os advogados de todos os condenados do processo "Lancha Voadora" e o Ministério Público apresentam recurso ao Supremo Tribunal de Justiça. Oito meses depois dá-se uma reviravolta no processo, com o STJ a baixar a pena da maioria dos arguidos, como foi o caso do Presidente da Bolsa de Valores, Veríssimo Pinto, que viu a pena passar de 9 para 6 anos, à excepção do empresário José Teixeira que foi condenado a quatro anos de prisão pelo crime de lavagem de capitais.

Com a colaboração do nosso correspondente em Cabo Verde Odaír Santos.

Correspondência de Cabo Verde 06/11/2014 Ouvir