rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Senegal Francofonia Guiné Bissau Cabo Verde África África Lusófona

Publicado em • Modificado em

Michaëlle Jean, nova secretária-geral da Francofonia

media
Michaëlle Jean, nova secretária-geral da Francofonia, agradecendo a sua designação na sua conta Twitter DR

A OIF, Organização Internacional da Francofonia, passa a ter à sua frente, como secretária-geral, uma mulher, Michaëlle Jean, jornalista e antiga governadora geral do Canadá, eleita na cimeira de Dacar.


Terminou este domingo, 30 de novembro, na capital senegalesa, Dacar, a décima quinta cimeira da Organização Internacional da Francofonia, que fica marcada pela designação de Michaëlle Jean, para o cargo de secretária-geral, da OIF, substituindo assim, após intensas negociações, a Abdou Diouf, antigo Presidente do Senegal.

 

Michaëlle Jean, era um dos cinco candidatos na corrida para suceder a Abdou Diouf, que esteve à frente da OIF, durante 12 anos. Os outros candidatos, eram Pierre Buyoya, ex-Presidente do Burundi, Henri Lopes, escritor e diplomata congolês, Jean-Claude de l'Estrac, antigo primeiro-ministro e Agustin Nze Nfumu, antigo ministro da Guiné Equatorial.

 

No seu discurso na qualidade de nova secretária-geral da OIF, Michaëlle Jean, afirmou que vai apostar numa "Francofonia económica, uma nova pertinência, com o fito de reduzir o fosso que há entre os países pobres e ricos da organização."

 

De  57 ans, nascida no Porto-o-Príncipe, no Haiti, Michaëlle Jean foi Governadora-geral do Canadá de 2005 a 2010. A sua família fugiu à ditadura de François Duvalier e refugiou-se em Quebeque, no Canadá, quando tinha 11 anos.

 

No Canadá, Michaëlle Jean, foi professora de italiano na Universidade de Montreal e mais tarde jornalista na televisão da Rádio Canadá.

Michaëlle Jean, vai, pois, a partir de janeiro de 2015, dirigir a Organização Internacional da Francofonia, que conta com 77 membros entre  observadores e de pleno direito, como são os casos do Canadá, França ou os afro-lusófonos, Angola, Cabo Verde e Guiné Bissau.

 

Participando nesta cimeira de Dacar, o secretário de estado da Guiné Bissau, Tomás Gomes Barrosa, declarou:

 

"A Francofonia é um acto cultural, um acto de junção dos povos, rumo ao desenvolvimento. Todos nós, temos a responsabilidade de mudar a nossa mente, para melhor podermos ajudar a nossa comunidade".

 

De Dacar, o nosso correspondente, Cândido Camará.

 

Cândido Camará, correspondente em Dacar 30/11/2014 Ouvir