rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

África África Lusófona Guiné-Bissau CEDEAO

Publicado em • Modificado em

CEDEAO entrega quartéis à Guiné-Bissau

media
Presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Désiré Ouédraogo AFP / SEYLLOU

O Presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Désiré Ouédraogo, entregou dois quartéis oferecidos pelo sub-regional organização às autoridades da Guiné-Bissau.


61 casernas, 4 cozinhas, 3 muros de vedação, uma oficina mecânica e no total 3,4 biliões de francos CFA investidos nos últimos 12 meses para a construção de dois quartéis na Guiné-Bissau.

Este é o resultado das casernas reabilitadas e entregues, formalmente, pelo Presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Désiré Ouédraogo, que se deslocou a Bissau para visitar os quartéis da força aérea e do exército em Bissau e nos quartéis de Buba, no sul do país.

A visita desfilou ao som da fanfarra militar e foi acompanhada pelo Primeiro-ministro guineense Domingos Simões Pereira e a Ministra da Defesa Cadi Seidi.

O Presidente da CEDEAO disse que se trata do renascer da Guiné-Bissau após vários anos de crises. Kadré Désiré Ouédraogo afirmou que a CEDEAO esteve sempre ao lado do país e vai continuar a estar presente nesta nova fase de reconstrução. Num momento em que a Guiné-Bissau está a passar por um momento de reforma no sector de defesa, da justiça e das finanças públicas.

A Organização sub-regional africana tem pronto um envelope financeiro de 63 milhões de dólares destinado ao fundo de pensões para a indemnização de militares que vão ter que deixar o exército e formar aqueles que vão permanecer nos quadros.

A Ministra da Defesa, Cadi Seidi, não escondeu a alegria e garantiu a total acalmia nos quartéis guineenses; "os militares guineenses reclamavam, agora estão serenos, estão concentrados e estão a fazer os seus trabalhos nas casernas. Estão confiantes porque estamos a trabalhar de acordo com as orientações no nosso primeiro-ministro e do governo da Guiné-Bissau em melhorar as condições de habitabilidade e condições de vida das tropas nas casernas".

Correpondência de Guiné-Bissau, Mussá Baldé 22/01/2015 Ouvir