rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-África
rss itunes

Estudos no Brasil desenharam futuro de arquiteto moçambicano

Por RFI

Muitos moçambicanos estão presentes em universidades brasileiras, graças a acordos de cooperação educacional entre Brasil e Moçambique. Quando voltam à terra natal, trazem conhecimentos e vivências adquiridos fora.

Fábia Belém, correspondente da RFI em Moçambique

Foi o caso de Engels Gabriel Mirção, que, em 1997, decidiu estudar arquitetura e urbanismo em terras brasileiras. À época, ele tinha 18 anos e era admirador da obra de Oscar Niemeyer

“Eu sabia que a arquitetura moderna fazia parte do currículo das faculdades brasileiras. Essa foi uma das causas pelas quais escolhi o Brasil. Além disso, eu sabia que era um povo mais acolhedor, mais receptivo”, conta Engels.

Na Universidade Federal do Paraná (UFPR), o moçambicano fez o curso que sempre quis. Depois vieram os trabalhos - projetos de arquitetura e consultoria ambiental. A experiência o ajudou a conhecer um pouco mais do Brasil e se aprofundar sobre a legislação ambiental.

O casamento com uma brasileira e o trabalho em Moçambique

“Nessa época, eu me casei. Depois tive uma filha e comecei com os negócios pelo Brasil”, explica. Quando pensou em voltar para Moçambique, os planos consistiam em aplicar, na terra natal, os conhecimentos em urbanismo, meio ambiente e arquitetura que ele havia adquirido no Brasil.

Em 2013, com uma amiga brasileira e o pai como sócios, abriu uma empresa que atua nas áreas de agricultura e de meio ambiente, em Manica, província da região central de Moçambique. Atualmente, tem 100 hectares plantados de eucalipto, destinado à indústria. Em outros 70 hectares, cultiva milho e soja.

“Com as experiências que tive no Brasil, com as fazendas que conheci, os fazendeiros e o pessoal da Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária] e da Emater [Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural ], aliado às semelhanças de solo, de clima que têm o Brasil e Moçambique, é muito viável aplicar o que se aprende ou o que se faz lá no Brasil”, constata.

Cidadão de dois países

A esposa e a filha do moçambicano continuam a viver no Brasil, para onde ele vai quatro vezes por ano. Depois de quase vinte anos lá e cá, sente-se cidadão de dois países. “Me sinto mesmo moçambicano brasileiro. Quando eu vou pra o Brasil, lá, todo mundo me considera moçambicano, estrangeiro. Mas quando eu estou em Moçambique, onde é a minha terra natal, as pessoas me chamam de brasileiro até hoje”, afirma Engels.
 

Brasileira e negro zulu, casados há 13 anos, comparam o racismo no Brasil e na África do Sul

Artista brasileira faz residência em centro cultural que combateu o apartheid

Agência de brasileira promove roteiros personalizados na África do Sul

Especialização em Pilates ajuda brasileira a superar trauma familiar em Durban

Brasil tem participação de peso em principal festival de teatro da África Ocidental

Ana Marcela Cunha, tricampeã mundial de maratona aquática, fala sobre experiência na África do Sul

Casal brasileiro se destaca na gastronomia sul-africana com venda de pão de queijo

Pobreza dificulta luta contra terrorismo, diz embaixadora do Brasil no Burkina Faso

Atriz brasileira Chica Carelli leva peça inspirada em "Ubu Rei" a Cabo Verde

Brasileiros contam experiência de saltar do maior bungee jump do mundo, na África do Sul

Brasileiro cria livro de histórias em países lusófonos com a palavra “púrpura”