rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-África
rss itunes

Brasileiros contam experiência de saltar do maior bungee jump do mundo, na África do Sul

Que tal saltar da ponte de bungee jump mais alta do mundo? A Bloukrans Bridge Bungy tem 216 metros de altura e fica na África do Sul, em uma reserva natural cercada por montanhas e pelo mar.

 Amanda Lourenço, correspondente da RFI na África do Sul

Localizada na Garden Route, uma conhecida rota turística que parte da Cidade do Cabo e atravessa vinícolas e parques nacionais, a ponte Bloukrans é o destino final de quem procura emoções fortes.

Rodrigo Fernandes, arquiteto de Porto Alegre, veio passar alguns dias na África do Sul com a namorada e amigos e incluiu um salto de bungee jump no roteiro. “Sempre quis saltar e nunca tinha feito. Quando surgiu a ideia de ir para a África do Sul de cara o bugee jump virou meu ponto turístico número um. Na verdade ele foi até um incentivo para a viagem. Foi meu primeiro pulo e foi a melhor experiência da minha vida no que se refere a adrenalina, aventura, medo, pavor – tudo ao mesmo tempo”, conta.

Fernandes diz que pularia novamente: “Agora mesmo, se pudesse! Mas a questão financeira pesa um pouco. Só que da próxima vez eu pularia amarrado pela cintura, pois dá para vir correndo e se atirar da ponte, não apenas cair de ponta-cabeça, quando acontece quando a gente amarra pelos pés”, explica o gaúcho.

A baiana Renata Gatto veio passar dois meses fazendo trabalho voluntário na África do Sul e também saltou da maior ponte de bungee jump do mundo. “Quando eu comecei a pesquisar sobre a África do Sul e os passeios que eu queria fazer eu li sobre o bungee jump e fiquei bem interessada. Quando eu cheguei surgiu a oportunidade de viajar pela Garden Route, que passaria pelo local da ponte, foi quando eu decidi que eu queria mesmo saltar”, lembra Gatto.

"Friozinho na barriga"

Ela admite que deu medo sim, mas que isso não a impediu de seguir em frente. “Fiquei com bastante medo, porque quando você chega e vê a altura dá um friozinho na barriga. Mas depois que você pula a sensação é muito boa. É um momento único quando você não consegue pensar em nada. A sensação é maravilhosa”, conta a baiana.

O programa custa 950 rands, cerca de 230 reais, sem incluir fotos ou filmagem, que são vendidas após o salto. O dinheiro não é reembolsado caso a pessoa desista de pular – o que não é raro acontecer. Estima-se que cerca de 20% dos aventureiros mudem de ideia depois de olhar para baixo. Mas a Face Adrenalin, empresa responsável pelo bungee jump, garante que a segurança vem sempre em primeiro lugar. Depois de 25 anos em atividade, a Bloukrans Bridge Bungy nunca registrou nenhum acidente fatal.

Rodrigo Fleck, carioca que veio com a namorada visitar a África do Sul, conta que pesquisou bastante antes de saltar: “Nós vimos alguns vídeos, lemos sobre a empresa que organizava os saltos, parecia ser muito bem organizado e seguro, então resolvemos fazer”, conta.

Mas por causa de um descuido, a experiência deles vai ter que ficar apenas na mémoria. “Depois de saltar a gente foi direto para o hostel super ansiosos para ver os vídeos e as fotos. Colocamos o DVD no computador do hostel, assistimos uma vez o vídeo de cada um e esquecemos o DVD lá, pra nunca mais ver”, lamenta Fleck.

Rodrigo Fernandes, arquiteto de Porto Alegre, Sempre quis saltar e nunca tinha feito. Quando surgiu a ideia de ir para a África do Sul Arquivo Pessoal

Brasileira e negro zulu, casados há 13 anos, comparam o racismo no Brasil e na África do Sul

Artista brasileira faz residência em centro cultural que combateu o apartheid

Agência de brasileira promove roteiros personalizados na África do Sul

Especialização em Pilates ajuda brasileira a superar trauma familiar em Durban

Brasil tem participação de peso em principal festival de teatro da África Ocidental

Ana Marcela Cunha, tricampeã mundial de maratona aquática, fala sobre experiência na África do Sul

Casal brasileiro se destaca na gastronomia sul-africana com venda de pão de queijo

Pobreza dificulta luta contra terrorismo, diz embaixadora do Brasil no Burkina Faso

Atriz brasileira Chica Carelli leva peça inspirada em "Ubu Rei" a Cabo Verde

Brasileiro cria livro de histórias em países lusófonos com a palavra “púrpura”