rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Angola Corrupção José Eduardo Cardozo

Publicado em • Modificado em

Filho de ex-presidente angolano é detido em caso de corrupção de US$ 1,5 bilhão

media
José Filomeno de Sousa dos Santos , filho do ex-presidente de Angola, preso por corrupção. DR

O ex-chefe do fundo soberano angolano e filho do ex-presidente José Eduardo dos Santos, José Filomeno dos Santos, foi detido nesta segunda-feira (24) em um caso de desvio de US$ 1,5 bilhão, segundo anúncio da Procuradoria Geral de Angola.


"Devido à complexidade e à gravidade dos fatos, e afim de garantir a eficácia da investigação (...), o Ministério Público decidiu aplicar aos réus uma medida preventiva de detenção", declarou o procurador angolano Álvaro Da Silva João, em nota oficial. "As provas reunidas no caso são suficientes de que os réus se envolveram em atividades de corrupção ativa", acrescentou.

O empresário angolano-suíço, Jean-Claude Bastos de Morais, que administrava parte do fundo soberano, também foi colocado em prisão preventiva, segundo o magistrado.

Em março, José Filomeno dos Santos, apelidado de Zenu, foi indiciado por ordenar transferências suspeitas enquanto administrava o fundo soberano angolano. Até então sob controle judicial, ele havia prometido "colaborar" com a Justiça de seu país.

Petrodólares desviados

José Filomeno foi nomeado em 2013 por seu pai, o então presidente José Eduardo dos Santos, à frente de um fundo soberano criado um ano antes e dotado de um capital de US$ 5 bilhões, oriundos da jazida petrolífera do país. Ele foi demitido do cargo em janeiro passado pelo novo presidente de Angola, João Lourenço.

José Eduardo dos Santos deixou o poder no ano passado depois de liderar Angola durante 38 anos, um reinado indivisível durante o qual ele controlou a economia do país, passando a administração pública para um punhado de parentes.

Lourenço, que assumiu o poder em setembro, demitiu muitos barões do antigo regime em nome do combate à corrupção em Angola.

(Com informações da AFP)