rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico

Moçambique Ciclone Morte

Publicado em • Modificado em

Sobe para 38 o número de mortos pelo ciclone Kenneth em Moçambique

media
Moradores olham para uma estrada que desabou no rescaldo do ciclone Kenneth, na aldeia de Wimbe em Pemba, Moçambique, em 29 de abril de 2019. REUTERS/Mike Hutchings

O balanço da passagem do ciclone Kenneth no extremo norte de Moçambique aumentou para 38 mortos, 39 feridos e cerca de 35.000 casas destruídas ou danificadas, informaram as autoridades nesta segunda-feira.


O balanço anterior publicado pelo Instituto Moçambicano de Gestão de Emergências (INGC) relatava cinco mortes na província de Cabo Delgado, na fronteira com a Tanzânia.

O ciclone Kenneth atingiu na quinta-feira a costa desta província com ventos próximos de 300 km/h e chuvas muito fortes, apenas seis semanas após a passagem devastadora ao sul do ciclone Idai.

Com rajadas de vento de 280 km/h e acúmulo de chuva de 100 a 150 mm de água em 24 horas, o Kenneth atingiu o território moçambicano com força extrema, superior à do ciclone Idai, que em 14 de março provocou cerca de mil mortes no centro do país e no Zimbábue, além de desabrigar centenas de milhares de pessoas.

Idai

O ciclone Idai atingiu em meados de março a segunda maior cidade do país, Beira (centro), e depois continuou a sua rota para o Zimbabué.

Além de matar mil pessoas, este ciclone destruiu parcialmente ou completamente 3.300 casas, de acordo com o Instituto de Gestão de Situações de Emergência (INGC) do país.

Cerca de 18 mil pessoas encontraram refúgio em abrigos de emergência.

(Com informações da AFP)