rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Por Silvano Mendes

A revista francesa Le Point traz em sua edição dessa semana uma longa reportagem de capa sobre a ambição expansionista da China. A publicação explica como o país vem investindo em vários territórios pelo mundo, por meio de estradas, ferrovias e portos, em um movimento que começou bem antes da guerra comercial com os Estados Unidos.

O texto lembra que a China tem, há séculos, uma tradição de expansão econômica internacional, iniciada por Zhang Qian, explorador morto em 113 a.C., considerado o criador da Rota da Seda. Desde então, o país, que se tornou a segunda potência mundial, multiplica seus projetos, como o da Nova Rota de Pequim, programa formado por seis estradas e uma rede portuária que deve atingir 60% da população mundial e englobar um terço do comércio do planeta.

Mas Le Point se interessa principalmente pelos investimentos marítimos de Pequim. A revista conta como a empresa chinesa Cosco privatizou o porto de Pireus, na Grécia, em troca de € 600 milhões em investimentos na região portuária de Atenas, que deve se tornar esse ano a mais solicitada do Mar Mediterrâneo. Do porto grego, os produtos chineses podem ser transportados facilmente para a região dos Balcãs e toda a Europa Central, aponta o texto.

Ainda no velho continente, Pequim investiu em 15 portos diferentes, e se interessa particularmente nesse momento pelo de Trieste na Itália, que representaria uma ótima porta de entrada europeia pelo Mar Adriático. Le Point ressalta que além de ser um hub ferroviário, a profundidade das águas na costa da cidade italiana permitiria acolher os maiores navios de transporte de contêiner do mundo, o que justificaria os investimentos chineses na região.

Juros monstruosos em troca de infraestruturas medíocres

Mas Pequim também está de olho no continente africano, afirma a revista, como provam os € 60 bilhões de ajuda prometidos pelo presidente chinês Xi Jinping durante o Fórum de Cooperação sino-africano de 2018. Para mostrar esse interesse, Le Point traz uma reportagem especial sobre a presença chinesa em Djibuti, situado diante de um estreito que já representa a quarta rota marítima mundial.

A China investe € 1 bilhão por ano em Djibuti, o equivalente à metade do PIB do país africano. Esse dinheiro foi usado, entre outras coisas, para financiar a linha ferroviária que liga o território a Adis-Abeba, na Etiópia, além da inauguração, no ano passado, da maior zona franca da África.

No entanto, esses investimentos nunca são gratuitos e a dívida djibutiana dobrou em apenas três anos. “Em toda a África, a China propõe empréstimos com taxas de juros monstruosas em troca de infraestruturas medíocres”, avalia Le Point. “Incapazes de reembolsar, esses países se tornam vassalos de Pequim”, sentencia, lembrando o exemplo de Angola, que já deve € 25 bilhões aos chineses.

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

‘Anti-Bolsonaro’, presidente mexicano encarna uma ‘renovação da esquerda’, diz revista francesa

Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa