rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Autoridade Palestina Barack Obama Benjamin Netanyahu Estados Unidos Hamas Israel

Publicado em • Modificado em

Tensão entre Israel e EUA antes do encontro de Netanyahu e Obama

media
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, inicia nesta sexta-feira visita oficial aos Estados Unidos. Reuters

O apoio inédito de Barack Obama a um Estado palestino com as fronteiras de 67 provoca atrito com Israel a poucas horas do encontro entre o presidente americano e o primeiro-ministro israelense. Benjamin Netanyahu será recebido nesta sexta-feira na Casa Branca, mas não esperou o encontro para rejeitar categoricamente a proposta de Obama.


O presidente norte-americano Barack Obama recebe o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em meio a forte repercussão provocada pelo discurso feito ontem por Obama abordando a questão israelo-palestina. O presidente dos Estados Unidos defendeu publicamente pela primeira vez a criação de um Estado Palestino usando como base as fronteiras anteriores à guerra dos seis dias de 1967.

O primeiro-ministro rejeitou a proposta na quinta-feira, antes de embarcar para Washington. Benjamin Netanyahu disse que a retirada de Israel da Cisjordânia ocupada e de Jerusalém Oriental anexada é indefensável.

O primeiro-ministro de Israel tem o apoio de parlamentares norte-americanos, principalmente republicanos, que acusam Obama de trair o aliado israelense e motivar a Autoridade Palestina a evitar as negociações de paz.

Para a imprensa israelense desta sexta-feira, o presidente americano lançou um desafio ao premiê israelense e a visita de Netanyahu a Washington começa mal. Única exceção o jornal de esquerda Haaretz que considera o discurso de Obama histórico.

Do lado palestino, o presidente Mahmoud Abbas pediu para Israel dar essa chance ao processo de paz. Já o movimento radical Hamas, que comanda a Faixa de gaza, rejeitou os pedidos para que reconheça o Estado de Israel e sugeriu que Obama tome medidas concretas para proteger os direitos dos palestinos e da nação árabe.