rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Estados Unidos Terrorismo Al Qaeda Iêmen Aviação Atentado Bomba CIA Arábia Saudita

Publicado em • Modificado em

Agente duplo dos EUA e da Arábia Saudita abortou atentado contra avião

media
Lobby do quartel-geral da CIA, na Virginia, Estados Unidos. REUTERS/Larry Downing/Files

O atentado suicida desmantelado pelo governo americano, que poderia ter atingido um voo comercial entre o Iêmen e os Estados Unidos, foi abortado por um agente secreto que trabalhava para a CIA e também para o serviço de inteligência da Arábia Saudita. A informação foi revelada pela imprensa americana.


O agente duplo foi infiltrado entre rebeldes do braço armado da Al Qaeda no Iêmen pela CIA com ajuda dos sauditas, conforme informou hoje o jornal New York Times. Sua missão era capturar um novo tipo de bomba, fabricada sem elementos metálicos, que os extremistas desenvolveram para driblar os detectores de metal dos aeroportos.

Depois de ganhar a confiança dos extremistas islâmicos, o agente duplo se ofereceu para realizar o ataque suicida. Foi assim que ele conseguiu deixar o Iêmen com os explosivos e a missão cumprida. De lá, ele foi para a Arábia Saudita onde agentes da CIA o aguardavam para colocar as mãos no novo tipo de explosivo. Toda a operação teria acontecido nos últimos dez dias.

A nova bomba está sendo analisada nos laboratórios do FBI em Quantico, na Virginia. Querendo tranquilizar os milhares de passageiros americanos, o presidente Barack Obama disse que o novo engenho seria detectado em mais de 180 dos 450 aeroportos já equipados com o novo scanner corporal.

A nova bomba parece ser uma versão melhorada dos explosivos escondidos nas roupas do nigeriano Umar Faruk Abdulmutalab, que no Natal de dezembro de 2009 tentou explodir um avião da Delta Airlines entre Amsterdam e Detroit. O ataque foi abortado graças à ação rápida dos passageiros e da tripulação que perceberam os gestos suspeitos do terrorista.

O jornal Los Angeles Times afirma que a bomba retirada do Iêmen leva a marca de Ibrahim Assan Asiri, um temido fabricante de explosivos da Al Qaeda. A operação com o agente duplo também permitiu localizar e identificar um dos principais líderes da Al Qaeda no Iêmen, Fahd al Qasaa, abatido no último domingo por um avião sem piloto da CIA, dizem os jornais americanos.