rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

México Máfia Crime América Latina Enrique Pena Nieto

Publicado em • Modificado em

Presidente mexicano promete justiça após desaparecimento de 43 estudantes

media
O presidente mexicano Enrique Peña Nieto fez um pronunciamento para tranquilizar as famílias dos desaparecidos. REUTERS/Tomas Bravo

O presidente mexicano Enrique Peña Nieto garantiu que os responsáveis pelo sequestro de 43 estudantes, no dia 26 de setembro em Iguala, serão punidos. Dois suspeitos, ligados aos cartéis criminosos, já confessaram terem assassinado 17 dos jovens desaparecidos. Pelo menos 28 corpos já foram encontrados.


O líder mexicano tentou tranquilizar a população por meio de uma mensagem divulgada na televisão. “Em um Estado de direito não há lugar para a impunidade”, disse Peña Nieto, em alusão ao desaparecimento, no final de setembro, do grupo de estudantes. “Esses fatos são revoltantes, dolorosos e inaceitáveis”, completou o presidente.

As declarações de Peña Nieto são feitas um dia após o procurador do Estado de Guerrero, Iñaky Blanco, ter anunciado que 28 corpos foram encontrados perto da cidade de Iguala, no sul do país. Ainda não se sabe se os cadáveres são dos estudantes, mas se a informação foi confirmada, esse seria um dos piores massacres da histório do México desde o início da guerra contra os narcotraficantes lançada pelo governo em 2006.

Os familiares das vítimas ainda têm esperança de encontrá-los com vida. “Nós não vamos acreditar que são nossos filhos”, declarou nesta segunda-feira Manuel Martinez, porta-voz de comitê de pais dos jovens desaparecidos. Ele também lembrou que a participação do governo federal nas investigações “não é um favor, e sim uma obrigação”.

Os alunos da escola Ayotzinapa, conhecidos por fazerem parte de movimentos de contestação, desapareceram após terem se reunido com outros estudantes para recolher fundos e manifestar. Policiais municipais e outros homens armados não-identificados teriam atirado contra os ônibus que transportavam os jovens. Testemunhas afirmam terem visto dezenas de estudantes sendo transportados em carros da polícia após o episódio.