rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Chile Argentina Vulcão Michelle Bachelet Catástrofes naturais

Publicado em • Modificado em

Cinzas do vulcão chileno Calbuco podem chegar até Bariloche

media
Bela imagem mostra a nuvem de fumaça e cinzas sobre o vulcão Cabulco, avistado da cidade de Puerto Montt, no Chile, em 22 de abril de 2015. REUTERS/Sergio Candia

O vulcão Calbuco, no sul do Chile, que estava inativo há mais de 50 anos, teve duas grandes erupções no espaço de poucas horas, levando à evacuação de 5 mil pessoas em um raio de 20 quilômetros. A primeira erupção ocorreu na noite de ontem e a segunda, na madrugada desta quinta-feira (23), criando um cogumelo gigante de cinzas, de uma altura de 10 quilômetros, sobre a região. O vulcão fica perto do litoral, a 2 mil metros de altitude.


O tráfego aéreo foi interrompido e autoridades decretaram estado de emergência em localidades próximas do vulcão. A estado de alerta vale para as cidades de Puerto Montt e Puerto Varas, na região de Los Lagos, cerca de 1.300 km ao sul de Santiago. A polícia chilena pediu aos motoristas que evitem as estradas da região, para evitar as operações de evacuação. 

O vulcão Calbuco estava inativo havia 54 anos. Por enquanto, não houve vazamentos de lava ou pessoas feridas, mas especialistas chilenos afirmam que isso pode acontecer nas próximas horas.

Presidente visita áreas atingidas

A presidente Michele Bachelet visitará hoje a região para acompanhar o trabalho de evacuação dos moradores em situação de risco. Bachelet viajará acompanhada por vários ministros, uma vez que as cinzas poderão causar danos a plantações, perturbar a atividade turística na região, além de causar problemas de saúde. 

A atividade do vulcão só foi defectada pelo sistema de controle chileno minutos antes da primeira grande erupção, causando surpresa na população e em autoridades.

Bariloche suspende aulas e mobiliza hospitais

As autoridades de Bariloche, no sul da Argentina, localizada a apenas 100 km do vulcão Calbuco, tomaram medidas preventivas contra a eventual chegada de cinzas transportadas pelo vento. A defesa civil de Bariloche suspendeu as aulas nas escolas nesta quinta-feira e a população foi orientada a ficar em casa. Os hospitais da região estão de prontidão para receber eventuais feridos.