rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico

Estados Unidos Rússia Europa Guerra Fria Armas Ucrânia Crimeia

Publicado em • Modificado em

EUA querem instalar armas pesadas no leste da Europa contra ameaça da Rússia

media
Tanque americano "Abrams" participa de exercício militar da Otan em Riga, capital da Lituânia, em março de 2015. REUTERS/Ints Kalnins

Os Estados Unidos têm planos de instalar armas pesadas nos países bálticos e no leste da Europa para agir diante de uma eventual agressão russa. A informação divulgada no sábado (13) pelo jornal "The New York Times" foi confirmada por fontes militares americanas.


Se a proposta do Pentágono for aceita pelo Executivo americano, Washington irá transferir, pela primeira vez, armas pesadas para os países recém-incorporados à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), relata o NYT. Até a queda do Muro de Berlim, em 1989, os países do leste da Europa e particularmente os bálticos (Lituânia, Estônia e Letônia) pertenciam à esfera de influência da então União Soviética.

O arsenal a ser instalado no leste europeu seria composto de veículos blindados, tanques de guerra e armas suficientes para equipar 5 mil soldados. Segundo as fontes consultadas pelo NYT, o objetivo é fornecer segurança para as nações bálticas e do leste europeu, cada vez mais preocupadas após a anexação da Crimeia por parte da Rússia e os combates na Ucrânia.

Aliados temem reação russa

De acordo com o NYT, a proposta ainda deve receber o aval do secretário americano da Defesa, Ashton Carter, e da Casa Branca. O jornal ressalta que alguns aliados da Otan estão preocupados com uma eventual reação russa. Um porta-voz do Pentágono citado pelo jornal disse que nenhuma decisão foi tomada ainda. O Pentágono poderá receber o sinal verde antes da reunião de ministros da Defesa da Otan, prevista este mês, em Bruxelas.

Segundo os planos do Departamento de Defesa, em cada um dos três países bálticos deverá ser instalado equipamento para cerca de 150 homens. Já na Polônia, Romênia, Bulgária e, talvez, na Hungria, prevê-se a instalação de equipamentos para uma companhia ou um batalhão - cerca de 750 homens.