rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Bolívia Evo Morales

Publicado em • Modificado em

Referendo na Bolívia decide se Morales pode ou não se reeleger

media
Morales: quatro mandatos consecutivos? REUTERS/Bolivian Presidency/Handout via Reuters

No próximo domingo, os bolivianos vão decidir num referendo histórico se o presidente Evo Morales pode concorrer a um novo mandato e governar até 2025.


Se o "sim" ganhar, Evo Morales estará habilitado a concorrer ao quarto mandato consecutivo, podendo ficar 20 anos no poder. Se, pelo contrário, o "não" vencer, Morales terá de se contentar com o atual terceiro mandato até 2020, totalizando 15 anos de governo.

No mês passado, Evo Morales completou a sua primeira década no poder, tornando-se o presidente que mais tempo governou a Bolívia. Também é o presidente em exercício que há mais tempo está no cargo em toda a América Latina.

Mas existem obstáculos para o plano de Evo Morales neste domingo. A disputa está aberta numa Bolívia dividida entre aqueles que são contra ou a favor do presidente.

Morales mudou a Constituição para se reeleger

Na Bolívia, a reeleição não existia até 2009, quando a Constituição foi modificada pelo próprio Evo Morales. A Carta Magna passou a permitir dois períodos consecutivos. Um Tribunal Constitucional, que na prática respondia a Evo Morales, entendeu que o primeiro mandato não contava porque as regras tinham mudado quando Evo Morales já estava na presidência. Com essa particular interpretação, o presidente pôde concorrer e ganhar o seu terceiro mandato.

Mas para ele isso não é suficiente. Evo Morales quer agora alterar novamente as regras para se candidatar a um quarto mandato em 2019 e ficar até 2025.

Com a certeza de ganhar, o plano vinha de vento em popa, mas, na reta final, o vento começou a mudar. Agora, o resultado é incerto. Tudo pode acontecer.

As pesquisas de opinião

A última sondagem, difundida no domingo passado, apontava que 47% dos bolivianos rejeitam o projeto de um Evo Morales eterno. Enquanto que 28% votariam a favor de um quarto mandato. O número de indecisos é alto: 25%. No começo do mês, essa mesma pesquisa indicava que 38% estavam contra uma alteração constitucional enquanto 35% apoiavam. Ou seja: em questão de dias, a balança se inclinou pelo “não”.

Até a semana passada, outra sondagem ainda mostrava um virtual empate em torno de 40% tanto para o SIM quanto para o NÃO. Os indecisos somavam 18%, e são esses os que vão definir a votação.

De qualquer forma, a vitória, se acontecer, será apertada. E essa é a grande novidade: pela primeira vez, desde que ganhou as eleições em 2005, Evo Morales pode perder.

O ônus dos escândalos

A vitória do liberal Mauricio Macri na Argentina e da oposição no Parlamento venezuelano tiveram algum efeito no eleitor boliviano. A queda nos preços das matérias primas também afetaram a economia boliviana, altamente dependente dessas exportações. Mas o golpe maior contra Morales foi mais recente: aconteceu ao longo das últimas duas semanas.

Um jornalista denunciou que Evo Morales teve um romance com a jovem Gabriela Zapata, com quem o presidente teve um filho. Pior, Gabriela Zapata trabalha para uma empresa chinesa que recebeu milionárias concessões do Estado.

O escândalo é quádruplo: Evo Morales escondeu uma relação que teve a partir de 2005. Mais do que isso, escondeu ter tido um filho dois anos depois e que, como ele admitiu, a criança faleceu pouco depois de nascida. Em 2005, a namorada tinha apenas 18 anos. Evo Morales já tinha 46. Ele diz que, depois da morte do bebê, questionada por alguns, ele deixou de ter contato com a namorada. Uma foto recente, porém, revela os dois juntos no Carnaval do ano passado .

Por último, o suposto tráfico de influências: a jovem, hoje com 28 anos, começou a trabalhar como gerente comercial para uma empresa chinesa que obteve oito contratos por 566 milhões de dólares com o Estado em obras de infraestrutura, seis desses contratos, sem licitação.

As consequências do resultado de domingo

Sobre o escândalo, o presidente nega ter favorecido a empresa chinesa onde trabalha a sua ex-namorada, e já pediu uma investigação do Congresso para comprovar, segundo ele, que tudo faz parte de um complô da oposição com os Estados Unidos para ele perder as eleições.

O Congresso, porém, é controlado pelo MAS (Movimento para o Socialismo), partido do governo. É como se Evo Morales fosse investigado por Evo Morales.

Uma derrota dirá que o presidente não conta mais com o apoio popular e o desgaste político pode ser veloz. Acuado, Morales pode radicalizar suas posições, assim como o fez o seu aliado, Nicolás Maduro, presidente da Venezuela.

Se, por outro lado, sair vitorioso do referendo, Evo Morales pode radicalizar, mas por excesso de poder.