rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Racionamento de energia na Venezuela pode piorar violência

Por RFI

Nesta segunda-feira (25), entra em vigor na Venezuela o racionamento de energia elétrica. A principal represa do país está abaixo do nível mínimo, problema gerado pelo fenômeno de El Niño. Agora a população deve enfrentar pelos menos 40 dias de cortes no fornecimento de eletricidade.

Elianah Jorge, correspondente da RFI para a Venezuela

Até o próximo sábado, 30 de abril, o chamado pelo governo de “Plano de Administração de Cargas”, que implanta o racionamento elétrico, deve estar vigente em quase todos os estados venezuelanos. A medida drástica busca evitar que o país sofra um apagão geral e sem precedentes. Serão quatro horas diárias de corte no fornecimento de eletricidade, implementados em diversos horários de acordo com as regiões de cada estado.

Hospitais, aeroportos, corpos de segurança e as sedes dos poderes públicos não sofrerão cortes de energia. O racionamento está previsto para ser aplicado por 40 dias, mas pode ser prorrogado, caso o nível da represa de El Guri não suba até maio, início da temporada de chuva.

O principal receio da população é a questão da segurança. Os venezuelanos se perguntam como farão para se proteger da criminalidade agora que faltará energia, impedindo o funcionamento de portões e cercas elétricas. Quem tem recursos investiu na aquisição de geradores elétricos. Outros compraram lanternas, pilhas, comida enlatada. Com esta situação, novos produtos se tornaram escassos: as velas e os fósforos desapareceram do comércio local.

Economia energética bloqueia plano de reativação econômica

A Venezuela já está semiparalisada por causa da falta de matérias-primas para mover a parca produção nacional e, além do mais, o racionamento colide com o plano de reativação da economia proposto pelo presidente Nicolás Maduro.

De acordo com o ministro de Energia e também presidente da empresa fornecedora de eletricidade Corpoelec, Luis Motta Dominguez, foram avaliados aspectos sociais, econômicos e “especiais” do país. O presidente Nicolás Maduro explicou que a represa de El Guri “foi planejada para um tipo de clima há alguns anos e que já não serve para o que está acontecendo atualmente”.

Entre as medidas implementadas estão a redução da jornada de trabalho e o funcionamento por apenas quatro dias de trabalho nas repartições públicas, além da ampliação de feriados com a suposta finalidade de reduzir o consumo elétrico. Em primeiro de maio, o governo vai aplicar um novo fuso-horário também para poupar energia. Maduro pediu para que a população economize eletricidade e que as venezuelanas, extremamente vaidosas, moderem o uso de secadores de cabelo.

Caracas está excluída do plano de racionamento

Causou grande mal-estar a exclusão de Caracas do plano de racionamento elétrico. Muitos venezuelanos se sentiram preteridos e acusam o governo de ignorar as necessidades das outras regiões. A justificativa para Caracas não entrar no racionamento, embora exista um alto consumo energia nesta parte do país, foi o fato de a capital ser a sede do poder público. No interior, são comuns os constantes cortes de energia sem prévio aviso.

De acordo com o ministro Motta Domínguez, “havia muita interrupção não controlada (no interior) e o povo queria estar informado”. Desde 200, a Venezuela vem passando por um plano de redução de consumo elétrico, desde então o problema se agrava sem que outras formas de geração de energia tenham sido implementadas. Além da capital os estados Vargas, Nueva Esparta, Amazonas e Bolívar não terão racionamento. No caso de Amazonas e Bolívar, o consumo nestas regiões é mínimo, tendo em vista que são os estados menos habitados do país.

Muitas pessoas ficaram indignadas com a falta de investimento do governo em um tema tão sério e que afeta diversas funções do país, inclusive a econômica – área na qual o país vai muito mal, sobretudo por causa da queda nos ingressos derivados da venda do petróleo.

Fornecimento para o Brasil continua inalterado

Embora a população venezuelana sofra com os cortes de energia, o fornecimento de eletricidade para a região norte do Brasil continua sem alterações. O convênio assinado há décadas pelos dois países continua vigente e o Brasil paga um valor considerado baixo se considerado o preço pelo qual a energia elétrica foi oferecida para a Colômbia. O mais curioso é que a eletricidade fornecida ao Brasil é gerada pela represa de El Guri, que está abaixo do nível mínimo, e que supre quase toda a Venezuela.
 

Bolsonaro quer definir texto da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Começa em Madri julgamento histórico de líderes independentistas catalães

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

Ernesto Araújo discute novas prioridades diplomáticas brasileiras nos EUA

Governo interino da Venezuela começa a organizar processo para novas eleições

Nos Emirados, papa Francisco defende cristãos e diálogo com outras religiões

Frio polar atrapalha cotidiano de cerca de 100 milhões de pessoas nos EUA

Novas sanções americanas aumentam importância da China na crise na Venezuela