rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

El Niño e diminuição das geleiras provocam grave seca na Bolívia

Por Augusto Pinheiro

A Bolívia enfrenta, há duas semanas, sua pior seca desde a década de 1980. Chove apenas 10% do que é normal nesta época do ano. O governo do país declarou situação de emergência nacional, pois falta água potável em várias cidades, principalmente na capital, La Paz.

Essa decisão permitirá aplicar fundos inicialmente reservados para outras áreas na solução da crise. O ecologista equatoriano Patricio Cabrera, da Fundação Futuro Latino-americano, explica o que está por trás da forte estiagem.  "As causas naturais estão relacionadas aos fenômenos climáticos, ao aumento da temperatura, ao desmatamento, à falta de cuidado com as fontes de água", diz.

Segundo ele, trata-se de uma zona que sofre o impacto da conversão do uso do solo para a agricultura. "Sabemos também que é uma zona área impactada pela diminuição das geleiras. Cada um desses fatores é parte dessa complexa situação natural de falta de precipitação."

El Niño

O fenômeno El Niño, que altera a temperatura da água do Oceano Pacífico, com profundos efeitos no clima, também está entre os fatores que provocaram a grande seca na Bolívia.

"Sabíamos desde o início do ano que o El Niño provocaria impactos sérios em 2016. O que os nossos técnicos nos disseram é que, em algumas zonas, haveria o aumento das precipitações, como na parte norte do Pacífico. Por exemplo, eram esperadas inundações no Equador", explica Cabrera.

Porém, em outras zonas, como na Bolívia e em algumas regiões do Chile, aconteceria o contrário: a possibilidade de seca e falta de chuva. "No final do primeiro semestre se dizia que o El Niño não impactaria tanto o clima como previsto no início do ano. Porém, no final, ele teve um forte impacto em regiões como La Paz", explica.

Críticas ao governo

Cabrera, que tem mestrado em ecoeficiência, critica o governo da Bolívia pela falta de ação agora e no passado, pois, segundo ele, era possível prever a situação.

"Na verdade havia uma grande quantidade de dados. Mas, além disso, não se trata de uma situação para a qual o governo deveria ter tomado decisões apenas este ano", diz.

Segundo ele, há uma série de elementos que faz com que essa situação seja crítica agora, "como a falta de planejamento e de gestão adequada das bacias hídricas no passado". "O problema tem a ver com a falta de informação para tomar decisões. Deveriam ter feito um balanço hidríco para adequar a oferta à demanda em La Paz, sabendo que o volume de água dos rios está diminuindo. Esses não são processos que ocorrem da noite para o dia."

Ajuda do Chile

O presidente Evo Morales anunciou a formação de comissões ministeriais encarregadas da perfuração de poços e da conexão dos sistemas de água potável com novas fontes de água, com o objetivo de aliviar o drama nas cidades de Oruro, Potosí, Cochabamba, Sucre e La Paz.

Nesta última, cerca de 400 mil pessoas têm acesso mínimo ou nenhum acesso à água. "Creio que a situação vai piorar. Porque, com a falta de água, vão começar a aparecer problemas de saúde, de salubridade e de produção", diz Cabrera.

O governo do Chile ofereceu na semana passada ajuda humanitária ao governo boliviano para enfrentar a situação de emergência.

Fórum da Paz: somente cooperação global poderá conter a ameaça climática

Acabar com a demarcação de terras indígenas é um crime, uma catástrofe, diz ambientalista

"Bolsonaro teme que combate ao aquecimento global tire soberania brasileira da Amazônia", diz especialista

Ativistas veganos por trás de ataques aos açougues na França afirmam que ações violentas são necessárias

Portugal dá passos concretos em direção ao fim do uso de combustível fóssil

Ambientalistas analisam programas dos presidenciáveis: de desastrosos a simplistas, poucos passam pelo crivo

Franceses são obrigados a cortar milhares de árvores para instalação de fibra ótica

Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

Cidadãos franceses contribuem como observadores para pesquisas sobre preservação das espécies

Geladeira solidária, mercado de produtos “feios”: novas armas contra o desperdício

Animais silvestres são vendidos facilmente pela internet a clientes europeus