rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Estados Unidos Mudanças Climáticas Donald Trump

Publicado em • Modificado em

Encarregado do clima escolhido por Trump nega efeitos do aquecimento global

media
Scott Pruitt (e) foi escolhido por Donald Trump para diriger a Agência de Proteção Ambiental (EPA) REUTERS/Lucas Jackson

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou a nomeação de Scott Pruitt para liderar a Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês). A decisão do futuro chefe da Casa Branca está sendo muito criticada, já que o escolhido é ligado ao setor do carvão e do petróleo e negou publicamente os efeitos das mudanças climáticas.


"Por muito tempo, a EPA gastou o dinheiro dos contribuintes em políticas antienergéticas que estão fora de controle e que destruíram milhões de empregos, enquanto afeta nossas granjas, negócios e industrias", explicou Trump em um comunicado oficial. De acordo com o presidente eleito, Pruitt "vai reverter essa tendência e restaurar a missão essencial da Agência, que é manter nosso ar e nossa água limpos e seguros".

"Minha administração acredita firmemente na proteção ambiental, e Pruitt será um defensor dessa missão, ao mesmo tempo que promoverá empregos, segurança e oportunidades", acrescentou o presidente eleito.

No entanto, especialistas e opositores de Trump contestam essa imagem de defensor de meio ambiente que o republicano associa ao novo chefe da EPA. Pruitt, republicano de 48 anos, é atualmente secretário de Justiça do estado de Oklahoma. Ele promove uma ação justamente contra a Agência de Proteção Ambiental que passará a dirigir.

Uma afronta aos americanos

Ele também promoveu uma batalha judicial contra as medidas do presidente Barack Obama, aplicadas pela EPA, para reduzir as emissões de gases do efeito estufa nas centrais elétricas a carvão. Pruitt "passou vários anos lutando com unhas e dentes para ajudar aqueles que contaminam o meio ambiente a evitar as medidas de proteção ambiental que essa nação implementou", alertou o legislador Steny Hoyer, um importante líder da bancada do Partido Democrata na Câmara de Representantes. Para Hoyer, colocar Pruitt à frente da Agência de Proteção Ambiental é "uma afronta aos americanos".

A nomeação também é criticada pelo senador Bernie Sanders, que concorreu com Hillary Clinton nas primárias do Partido Democrata na corrida pela Casa Branca. "O problema de Pruitt não é apenas negar a mudança climática, mas também ser alguém que tem trabalhado muito próximo da indústria de energia fóssil, para tornar este país mais dependente dela", disse Sanders. Para ele, a designação de Pruitt é "triste e perigosa".

Acordo do Clima ameaçado

Durante sua campanha, Trump prometeu retirar as leis e regulamentações para a proteção ambiental e o combate ao aquecimento climático, acusando Obama de ter declarado guerra ao carvão, um tema eleitoral sensível em vários estados. O presidente eleito também anunciou que tiraria os Estados Unidos, segundo emissor mundial de gases do efeito estufa, atrás da China, do acordo sobre o clima, firmado em 2015 por 192 países.

(Com informações da AFP)