rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Conselho Eleitoral confirma segundo turno no Equador

No final da noite desta quarta-feira, o Conselho Nacional Eleitoral do Equador anunciou oficialmente que o país terá segundo turno nas eleições presidenciais, no próximo 2 de abril. O anúncio foi feito em rede nacional de TV dada a tensão que se viveu no Equador desde domingo com a eleição mais acirrada das últimas décadas.

 

 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O segundo turno é um duro revés para os planos do governo do presidente Rafael Correa, há 10 anos no cargo. A recessão econômica e o caso Odebrecht de corrupção são alguns dos fatores que prejudicam o candidato do governo e que potencializam a oposição como representante de uma mudança.

O presidente do Conselho Nacional Eleitoral do Equador, Juan Pablo Pozo, fez o anúncio que o país esperava desde domingo passado: o candidato do governo, Lenín Moreno, vai disputar o segundo turno com o candidato opositor de centro-direita, Guillermo Lasso. O candidato governista da Aliança PAÍS obteve 39,3% dos votos enquanto o candidato da oposição conservadora, Criando Oportunidades, ficou com 28,1%.

No Equador, para ser eleito presidente, basta o candidato obter 40% dos votos com um diferença de 10 pontos sobre o segundo colocado. Ou seja: com 39,3% dos votos, o candidato do governo, Lenín Moreno, ficou a apenas 0,7% de ser eleito logo no primeiro turno.

Diminuição da tensão social

O segundo turno foi crucial para acalmar os ânimos num país totalmente polarizado. O candidato da oposição, Guillermo Lasso, tinha pedido aos seus seguidores que fossem às ruas defender o voto das urnas. A suspeita de fraude a favor do candidato do governo crescia à medida que a lentidão na apuração adiava o resultado da eleição.

Durante três dias, milhares de pessoas fizeram uma vigília em frente ao Conselho Nacional Eleitoral em Quito e em outras cidades para exigir o resultado. O presidente Rafael Correa foi quem nomeou a maioria dos responsáveis pela Justiça Eleitoral. E como o seu candidato estava no limiar de ser eleito, as suspeitas de fraude aumentaram.

Segundo turno será espécie de plebiscito

O segundo turno será uma espécie de plebiscito. De um lado, a continuidade de um modelo que combina gasto social com altos impostos e endividamento. Do outro lado, uma mudança de rumo a uma economia aberta pró-mercado. O candidato governista, Lenín Moreno, foi vice-presidente de Rafael Correa entre 2007 e 2013. O candidato da oposição, Guillermo Lasso, é presidente executivo do Banco Guayaquil.

A maioria dos analistas políticos acredita que os 39% obtidos pelo candidato governista estão muito perto do seu teto potencial de votos. O número está em sintonia com os 40% de popularidade do presidente Rafael Correa. Já os 28% do candidato opositor são uma espécie de piso com muito mais potencial para crescer. Por isso, o candidato do governo ganhou o primeiro turno, mas essa vitória tem sabor de derrota.

60% dos eleitores votaram contra o governo. Se o espectro opositor se unir, a tendência é de uma vitória da oposição. De fato, a candidata Cynthia Viteri que ficou em terceiro lugar, com 16,3% dos votos, já anunciou apoio ao candidato da oposição.

 Equador pode ser o próximo país na América do Sul a dar uma guinada à direita

Todas as eleições nos últimos 15 meses foram derrotas para os governos e vitórias da oposição. Começou com Mauricio Macri na Argentina, continuou com as eleições legislativas na Venezuela, passou pela Bolívia que negou um quarto mandato ao presidente Evo Morales e foi ao Peru com Pedro Pablo Kuczynski. Com uma vitória da oposição no Equador, Nicolás Maduro na Venezuela ficaria ainda mais isolado.

As razões para uma guinada à direita são basicamente três: em primeiro lugar, uma queda no valor das matérias primas que afeta as contas públicas e provoca recessão. No caso do Equador, foi a queda do barril de petróleo. Em segundo lugar, escândalos de corrupção. No caso do Equador, foi a corrupção na petrolífera Petroecuador e da brasileira Odebrecht.

E, em terceiro lugar, governos que se estendem no tempo e acumulam poder em excesso com autoritarismo.No Equador, por exemplo, a perseguição a jornalistas através da chamada "lei mordaça" é permanente.
 

Cubanos celebram 500 anos de Havana com eventos culturais e festas pelas ruas

Proposta de eutanásia para quem "está cansado de viver" cria polêmica na Bélgica

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso