rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Futebol: Barcelona processa Neymar e quer 8,5 milhões de euros

Estados Unidos Terrorismo Nova York

Publicado em • Modificado em

Atropelamento em Nova York não teria motivações terroristas

media
Veículo que invadiu calçada na Times Square, em Nova York, matando 1 pessoa e ferindo 22 REUTERS/Mike Segar TPX IMAGES OF THE DAY

Uma jovem de 18 anos morreu e vinte e duas pessoas ficaram feridas na tarde da quinta-feira (18) em Times Square, no centro nervoso de Manhattan, quando um ex-fuzileiro naval de 26 anos atropelou pedestres em uma das áreas de maior concentração de turistas na cidade. Autoridades descartam a pista terrorista.


Eduardo Graça, correspondente da RFI em Nova York

O ex-militar foi preso e deve sair nesta quinta-feira (19) o resultado do teste que pode comprovar o que os policiais suspeitaram ontem: uso de entorpecentes e álcool. O motorista, de acordo com as autoridades, foi detido por dirigir embriagado em outras duas ocasiões, em 2008 e 2015.

O FBI iniciou uma investigação paralela já que as suspeitas de terrorismo, aparentemente infundadas, se deram por conta da semelhança com acontecimentos recentes em Nice, Londres, Estocolmo e Berlim.

Zona movimentada

A Times Square é uma grande praça, composta por vários cruzamentos e esquinas, um dos locais mais movimentados e visitados da metrópole norte-americana.

A área está localizada na junção da Broadway com a 7ª Avenida, entre a ruas 42 Oeste e 47 Oeste, na região central de Manhattan. o local é famoso pelos grandes letreiros luminosos de publicidade instalados nos prédios.

Crise política continua

A tragédia acabou desviando a atenção da opinião pública por algumas horas da imensa crise política que ameaça o mandato do presidente Donald Trump.

O republicano afirmou em evento oficial na quinta-feira (18) estar sendo vítima da maior “caça às bruxas” jamais feita a um político americano. Para os democratas, essa foi uma reação desesperada à nomeação de um conselheiro independente para comandar as investigações de possível ligação de pessoas próximas à Casa Branca com o governo russo que teria influenciado a campanha eleitoral do ano passado.