rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Votação de Constituinte incendeia disputa política na Venezuela

A rapidez com que o governo do presidente Nicolás Maduro vem promovendo a votação da Assembleia Nacional Constituinte está funcionando como combustível para os manifestantes, que estão há 62 dias nas ruas.

Elianah Jorge, correspondente da RFI Brasil em Caracas

O presidente venezuelano Nicolás Maduro avança em seu projeto de realização de uma Assembleia Constituinte desafiando a oposição, que denuncia uma manobra para continuar no poder. O anúncio da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), há cerca de um mês, chegou no momento em que os opositores já estavam nas ruas protestando contra a anulação de poderes da Assembleia Nacional pelo Supremo Tribunal de Justiça. A decisão recrudesceu a tensão na Venezuela, onde a violência dos confrontos já produziu cerca de 60 mortos.

A oposição afirma que a Assembleia Constituinte está sendo feita de acordo com as ordens do presidente Nicolás Maduro e com um sistema de votação indireto e convocada sem nenhuma consulta popular para definir as bases da redação da nova Constituição. Os opositores criticam também a rapidez do processo da ANC, convocado há um mês por Maduro.

Uma questão de soberania popular

No ano passado a oposição queria a realização do referendo popular, para que o povo decidisse sobre a continuidade do mandato de Maduro, mas o Conselho Nacional Eleitoral garantiu que não havia tempo hábil para cumprir com todos os requisitos daquela consulta popular. O Tribunal Supremo de Justiça venezuelano aprovou a convocação da ANC sem consultar os venezuelanos, decisão que, para críticos do governo, ignora o princípio da soberania popular.

A decisão de criar a nova Constituição vem gerando divergências também dentro da ala chavista sob a justificativa de que a anterior Carta Magna marcou a consolidação dos ideais do ex-presidente Hugo Chávez, de quem Maduro diz ser seguidor. De acordo com Maduro, a ANC é o único caminho para conseguir a paz e derrotar o golpe de Estado que, segundo o presidente, a oposição quer instaurar na Venezuela. A oposição, no entanto, se nega a participar do processo que vai escolher os novos constituintes.

Cúpula da OEA não chega a consenso sobre Venezuela

A situação política da Venezuela vem chamando a atenção internacional. A reunião de chanceleres da Organização de Estado Americanos (OEA) sobre o país. A convocação do encontro, que acabou sem consenso por falta de acordo sobre a situação venezuelana, motivou o país a deixar a entidade. Uma nova reuniéao deve acontecer na segunda quinzena de junho.

Um dos mais críticos a Maduro foi o secretário de Estado norte-americano, Thomas Shannon, que sugeriu um “grupo de contato” para lidar com a Venezuela. Ele também pediu que o governo venezuelano respeite o parlamento e que convoque eleições regionais na Venezuela. Já o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, declarou que “a falta de ação (do governo venezuelano) e a indiferença não são opções para nós”, no sentido de que desde o início dos protestos o governo de Nicolás Maduro não teve iniciativa para minimizar os conflitos internos do país que governa. Alguns dos presentes na reunião sugeriram à Venezuela suspender o julgamento de civis nos tribunais militares, iniciar um novo diálogo com a oposição e o fim imediato dos atos de violência, independente de qual lado se origine. Desde primeiro de abril até hoje os confrontos já causaram a morte de pelo menos 60 pessoas na Venezuela.

Quando um banco americano entra no meio da crise venezuelana

A transação feita pelo governo da Venezuela com o banco internacional Goldman Sachs foi considerada um golpe para a já enfraquecida economia venezuelana, pois representa uma perda de quase 12% das reservas internacionais.

Os bônus da principal empresa do país, a da estatal Petróleos da Venezuela, valiam 2.8 bilhões de dólares e, com o desconto de 69% dado pelo governo, a negociação foi feita por U$865 milhões. O grande beneficiado foi o banco internacional, o que contraria a retórica anticapitalista do chavismo.

O presidente da Assembleia Nacional, o opositor Julio Borges, afirmou que o dinheiro da transação será usado para financiar o regime de Maduro e para a compra de equipamentos para reprimir os protestos. O parlamento venezuelano vai pedir aos Estados Unidos para investigar o banco. A operação foi divulgada durante uma semana em que a moeda venezuelana sofreu uma desvalorização de mais de 60%.

Acordo entre Mercosul e UE deve ser assinado neste mês, afirma Temer em reunião da OMC

Votos brancos e nulos superam 65% em votação sobre judiciário da Bolívia

Resolução da ONU que levou à criação de Israel completa 70 anos, sem paz

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico