rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Homossexuais Chechênia Canadá Refugiados

Publicado em • Modificado em

Homossexuais chechenos recebem status de refugiados no Canadá

media
Na frente da embaixada da Rússia, em Londres, manifestação denuncia a violência contra homossexuais chechenos, em junho de 2017. Reuters/Neil Hall

Cerca de trinta chechenos, perseguidos em seu país por sua orientação sexual, foram acolhidos pelo Canadá nos últimos três meses.


Com informações de Pascale Guéricolas, correspondente da RFI em Québec

O governo canadense implementou um programa especial para permitir que homossexuais da Chechênia recebam o status de refugiados, o que lher permite viver e trabalhar legalmente no país. A ONG Rainbow Railroad, com sede em Toronto, desempenhou um papel decisivo durante o processo.

Inicialmente, a organização procurou e recebeu o apoio do governo canadense. O objetivo era conseguir dar status de refugiados aos chechenos, presos e espancados pela orientação sexual em seu país natal.

Mas a operação teria sido politicamente muito delicada para o Canadá, caso o país decidisse intervir abertamente em uma província ligada à Rússia. A Rainbow Railroad se aproximou dessas pessoas, apresentando a proposta canadense.

Da Rússia ao Canadá

Uma associação russa que ajuda gays e lésbicas chechenos transferiu-os para habitações seguras na Rússia. Muitos dos 30 ou mais refugiados no Canadá se encontram agora em Toronto, ou em outras cidades canadenses.

"A grande maioria das pessoas que ajudamos são homens", disse Kimahli Powell, diretor-executivo da Rainbow Railroad. "É mais difícil para as mulheres escapar da Chechênia", completou, em entrevista ao jornal The New York Times.

Mesmo se o governo canadense tem se recusado a falar publicamente sobre o programa de ajuda aos homossexuais chechenos, uma fonte confirmou sua existência e o número de refugiados que receberam o asilo até agora.

Outros homossexuais vítimas de violência na Chechênia podem chegar em breve ao Canadá, um país que fez da defesa dos direitos das pessoas gays, lésbicas e transgêneros uma de suas prioridades.