rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Crise leva venezuelanos a adotar revenda de dinheiro vivo

A crise na Venezuela desencadeou a falta da emissão de dinheiro em espécie, popularizando uma prática proibida pelo governo: a venda de cédulas.

Elianah Jorge, correspondente da RFI em Caracas

A alta inflação, a lenta emissão de novas notas por parte da Casa Moeda da Venezuela e o baixo limite de dinheiro em espécie distribuído nos bancos fez o bolívar, a moeda venezuelana, desaparecer do bolso da população. Os caixas eletrônicos liberam apenas 10 mil bolívares aos clientes, valor inferior ao preço de meio quilo de arroz.

A população evita ao máximo pagar em espécie. Há poucos meses, as novas notas da moeda venezuelana entraram em circulação, mas as cédulas fabricadas e distribuídas pelo Banco Central da Venezuela não suprem a demanda interna.

Além disso, com a desvalorização da moeda, a nota de 20 mil bolívares, que é a de maior valor, é insuficiente para comprar um dólar, cotado a 23 mil bolívares no mercado paralelo.

A contradição é que, embora o bolívar registre quedas diárias no mercado internacional e por conta da inflação, na Venezuela o dinheiro em espécie está sendo valorizado exatamente por conta da escassez da moeda.

Valorização do bolívar

Com a falta de notas em espécie surgiu a revenda de dinheiro, prática proibida no país. A transação é feita da seguinte maneira: quem tem dinheiro em espécie cobra até 35% a mais sobre o valor negociado para a venda e informa ao comprador os dados bancários para que ele faça uma transferência.

Para receber 100 mil bolívares por exemplo, o comprador do dinheiro em espécie precisa transferir 135 mil. Em geral, os vendedores são pessoas com acesso direto às notas da moeda venezuelana, como motoristas de ônibus ou proprietários de pequenos negócios.Com a falta de dinheiro em espécie, muitos profissionais também estão voltando a aceitar pagamento fiado – desde que pago por transferência bancária.

Contato entre governo e oposição

A data do encontro está marcada para o próximo 27 de setembro. Para dialogar, a oposição pede garantias de que haverá eleição presidencial no fim de 2018 e a liberação de quase 600 opositores presos.

O presidente Nicolás Maduro afirma que diversos encontros já foram realizados entre os grupos, o que a oposição nega.

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país

Sucesso eleitoral da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Brasil apoia candidato chinês para substituir Graziano na liderança da FAO

Michelle Bachelet se encontra com Maduro e Guaidó durante visita à Venezuela

Boris Johnson é favorito em nova votação para definir sucessor de Theresa May