rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Após nove meses no poder, governo Trump é um fracasso total

Por Alfredo Valladão

O presidente americano, Donald Trump, está dia a dia mais encurralado. Desta vez, é um grande júri independente, convocado pelo procurador especial que investiga a ingerência russa nas eleições americanas, que decidiu acusar formalmente membros do círculo mais próximo de Trump de colusão com Moscou. Claro, o presidente declarou que não tinha nada a ver com isso. Mas, de repente, uma investigação considerada pela Casa Branca como uma conspiração política da oposição, virou caso de justiça. E nos Estados Unidos ninguém brinca com isso, simplesmente porque não se sabe até onde os inquéritos podem chegar. 

O estouro dessa bomba relógio, que ameaça o mandato do presidente, é só o último episódio de uma série de derrotas de propostas e decretos do governo. Depois de nove meses no poder, a administração federal é um caos e o balanço político e legislativo de Trump é praticamente nulo.  

O magnata lourão conquistou a Casa Branca convencendo diferentes pedaços do eleitorado esquecidos pelas imensas transformações do modelo socioeconômico do país e enraivecidos com o chamado “lamaçal” de Washington. Territórios e pessoas que se sentem abandonados e sonham em voltar para os “bons velhos tempos” dos bons salários da velha economia industrial de massa dos anos 1950 a 1970. Tempos abençoados, quando uma próspera classe média “branca” era dominante. Um eleitorado com sede de desforra contra o modo de vida das grandes cidades cosmopolitas, o “politicamente correto” e as empresas que se globalizam e se modernizam graças as novas tecnologias. Na verdade, contra tudo que cheire a uma sociedade aberta com alta mobilidade das pessoas e das ideias. 

As jogadas de Trump

Só que o novo presidente teve que enfrentar uma contradição imediata. Como satisfazer essa “base” radicalizada sem degolar a galinha dos ovos de ouro do dinamismo econômico americano? O magnata tentou duas jogadas. A primeira foi tentar desmantelar todas as vacas sagradas da América bem sucedida, começando pelo Obamacare,  a reforma do seguro de saúde feita pelo ex-presidente Barack Obama. O problema é que o núcleo eleitoral de Trump, os trabalhadores brancos pobres das regiões em crise, são os que mais se beneficiam desta reforma. Resultado: foi impossível liquidar o Obamacare no Congresso. 

O mesmo aconteceu com a tentativa acabar com a imigração. As empresas e as autoridades estaduais, que precisam de mão de obra estrangeira, não deixaram. Para compensar, Trump saiu provocando guerras “culturais” contra jogadores de futebol que não cantam o hino nacional ou com declarações simpáticas a grupos neonazistas de supremacistas brancos. A “base” adora, mas o país se divide e se radicaliza. E Trump despenca nas sondagens. 

O outro tema utilizado foi o do protecionismo comercial para obrigar as grandes empresas americanas a repatriar suas produções e criar empregos industriais “à antiga” no país. Ilusão completa, claro. Só que se fosse possível fechar as fronteiras, as empresas que dependem de um mundo aberto iriam à falência ou teriam que automatizar rapidamente a produção.

Nos dois casos, os principais perdedores seriam os trabalhadores brancos eleitores de Trump que ficariam sem emprego. Não deu outra: a política protecionista de Trump ficou só no "gogó". E uma ampla frente empresarial saiu em campo par tentar impedir que ele acabe com o acordo de livre-comércio norte-americano.  

Reforma fiscal pode salvar governo Trump
        
Mas para salvar o mandato, o magnata ainda tem um trunfo: a reforma fiscal que agrada tanto as empresas quanto seu núcleo de eleitores que odeia impostos e uma administração federal gastadeira. O problema é que a reforma tira dos pobres para agradar os ricos e aumenta brutalmente o déficit público. Não vai ser fácil o Congresso aprovar essa aventura.

O perigo é que se não der certo, Trump pode ter a tentação de inventar uma guerra externa qualquer para restabelecer a união nacional em volta do presidente. Falta só um ano para as eleições legislativas de meio-mandato... Por enquanto, os generais de cabeça fria que enquadram o lourão conseguiram evitar esse tipo de loucura. Mas por quanto tempo ainda?

* O cientista político Alfredo Valladão publica sua coluna todas as segundas-feiras na RFI
 

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa