rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Estados Unidos Rússia Apec Vietnã Donald Trump Vladimir Putin

Publicado em • Modificado em

Trump respalda finalmente suspeitas de ingerência russa na presidencial americana

media
Vladimir Putin e Donald Trump durante a cúpula da Apec, de Danang, Vietnã, neste sábado, 11 de novembro de 2017. Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS

Donald Trump mudou de ideia e resolveu finalmente respaldar as suspeitas de ingerência de Moscou na campanha presidencial dos Estados Unidos. O presidente afirmou neste domingo (12), em Hanoi, acreditar nos “serviços de inteligência americanos” que acusam a Rússia de ter tentado influenciar a eleição que o levou ao poder.


Donald Trump deu uma coletiva à imprensa no encerramento de sua vista a Hanoi, penúltima etapa de seu giro asiático. Ao lado do presidente vietnamita, ele disse no entanto confiar na sinceridade do presidente russo, que voltou a negar no sábado (11) qualquer envolvimento da Rússia. “Acredito que ele pensa que nem ele nem a Rússia interferiram nas eleições, mas eu apoio nossas agências”, declarou.

Os dois presidentes se encontraram ontem, em Danang, à margem da cúpula Ásia-Pacífico (Apec). Após o encontro, Trump enfatizou as negações de Putin sobre as suspeitas de ingerência na campanha americana. Poucas horas depois, a CIA confirmou suas acusações contra a Rússia.

Coreia do Norte

Durante a coletiva à imprensa ao lado do presidente vietnamita, Trump também falou da Coreia do Norte e declarou esperar ser, um dia, “amigo do líder norte-coreano Kim Jong-un”. Um pouco mais cedo, em um tuíte, ele informou que a China vai acentuar suas sanções contra Pyongynag e contribuir para superar as tensões com a Coreia do Norte.

Do Vietnã, Trump embarcou para as Filipinas, última etapa de sua viagem. Ele chegou ao país no final da tarde, pelo horário local (8h pelo horário de Brasília), onde vai participar da cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).

O controvertido presidente filipino, Rodrigo Duterte, está convencido que o colega americano não irá abordar as questões de Direitos Humanos e a polêmica “guerra contra a droga” no país, durante sua visita a Manila. Várias ONGs pediram que Trump discuta a violenta campanha de Duterte contra suspeitos traficantes e usuários, que já fez milhares de mortos no país.