rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Air France América do Sul Argentina

Publicado em • Modificado em

Tripulantes da Air France vivem 48 horas de “calvário”, na Argentina, após reclamação de passageira

media
Tripulação barrada em Buenos Aires por relamação de filha de ex-vice-ministro ©Air France

O governo francês pediu nesta terça-feira, 14, explicações às autoridades argentinas sobre a detenção de uma tripulação da Air France em Buenos Aires, na Argentina. O ocorrido, que deixou o presidente da Air France-KLM, Jean-Marc Janaillac, indignado, ocorreu no último 30 de outubro, no final de um voo para Buenos Aires.

 

 


De acordo com o Sindicato dos Comissários de Bordo, a polícia argentina deteve parte da tripulação por seis horas na delegacia do aeroporto, após a denúncia de uma viajante. Segundo relato do sindicato, durante o voo, a passageira primeiro solicitou a mudança de seu assento para a classe executiva. O pedido foi negado porque todos os lugares estavam ocupados. Horas depois, a viajante pediu novamente uma mudança de setor, alegando um comportamento indelicado do seu vizinho de poltrona, sendo atendida por um comissário de bordo.

Na semana passada, a Air France enviou uma carta ao Ministério das Relações Exteriores francês e pediu às autoridades competentes para "esclarecer o caso”. Em seu site, a União Nacional de Tripulações Comerciais (SNPNC, na sigla em francês), que também escreveu ao ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian e à embaixadora da Argentina na França, narra as "48h de calvário em Buenos Aires".

Filha de ex-vice-ministro da Justiça

Os membros da tripulação foram convocados na manhã seguinte ao ocorrido pelo tribunal de Buenos Aires para interrogatório. O chefe principal de cabine foi separado dos demais, ficando trancado em uma sala de um metro quadrado sem poder se sentar, beber ou comer.

O tripulante ficou sob a supervisão de dois guardas armados, diz o SNPNC em sua carta para o embaixador de Argentina. Ele foi interrogado apenas na parte da tarde por um juiz e pelo ex-vice-ministro da Justiça da Argentina, pai da passageira, antes de ser libertado sem desculpa ou explicação. Os outros membros da equipe foram ouvidos ao longo do dia.

Incidente diplomático

O Ministério das Relações Exteriores confirma que "os membros da tripulação foram detidos pela polícia argentina por sete horas" em 30 de outubro "e, no dia seguinte, durante quase onze horas pela justiça". "A França lamenta o incidente e solicita às autoridades argentinas explicações sobre as condições em que a equipe foi retida", acrescentou o ministério.

Por sua vez, o Ministério das Relações Exteriores da Argentina disse na terça-feira, 14, que verificou com o Ministério da Segurança para entender "o que aconteceu com a polícia do aeroporto e a tripulação". "Se eles ultrapassaram seus direitos, seus superiores decidirão o que fazer", disse uma porta-voz. "Tudo o que temos é a carta que o sindicato enviou ontem à nossa embaixada".