rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Argentina Submarino Acidente

Publicado em • Modificado em

Parentes de tripulantes do submarino acusam Marinha de manipulação

media
Jessica Gopar, mulher de um eletricista do submarino, na base naval de Mar del Plata. REUTERS/Marcos Brindicci

Parentes dos 44 membros da tripulação do submarino desaparecido há oito dias no Atlântico Sul reagiram com dor e indignação ao último relatório oficial, divulgado nesta quinta-feira (23). Segundo a Marinha argentina, uma explosão teria sido captada logo após o último contato com a embarcação.

 


Um relatório oficial confirmou o registro de um ruído violento e repentino compatível com uma explosão no meio do Atlântico, horas após o último contato do submarino San Juan com a base em 15 de novembro.

Separados do enxame de jornalistas e curiosos por uma cerca, no estacionamento da base naval de Mar del Plata, os parentes receberam a notícia se abraçando, enquanto outros gritavam inconsoláveis, sentados no chão.

"É a primeira vez que venho à base (naval) e acabo de saber que sou viúva", declarou Jessica Gopar em lágrimas.

Fernando Santilli, eletricista do submarino, "foi meu grande amor, tínhamos sete anos de namoro, seis de casamento e temos um filho, Stefano, que nos custou muito até que Deus nos enviasse", declarou Jessica em frente à base naval, 400 km ao sul de Buenos Aires.

“A 3 mil metros?”

"Eu me sinto enganada! É impossível que tenham descoberto só agora! São perversos e nos manipularam", declarou enfurecida Itatí Leguizamón, advogada e esposa de German Suarez, operador de sonar do San Juan, ao sair da base naval.

"Não nos disseram que estão mortos, só afirmaram que o submarino está a 3 mil metros de profundidade. O que se pode entender com isso?!", perguntou em meio a uma crise nervosa.

Estados Unidos confirmam suspeita

O relatório da Marinha argentina coincide com a informação recebida dos Estados Unidos na quarta-feira a respeito de uma "anomalia hidroacústica detectada na quarta-feira, 15 de novembro, às 10H31" (11H31 de Brasília)", cerca de três horas após a última comunicação do San Juan com sua base.