rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Votos brancos e nulos superam 65% em votação sobre judiciário da Bolívia

Cerca de 4,5 milhões de bolivianos foram às urnas neste domingo (3) eleger 52 juízes para diversas instâncias jurídicas do país. O pleito foi marcado pelo número de votos nulos e brancos, que já somam 65% de acordo com os primeiros resultados.

Elianah Jorge, correspondente da RFI em Santa Cruz de la Sierra

A votação foi bastante criticada porque ocorre depois de uma decisão anunciada recentemente pelo Tribunal Constitucional Plurinacional (TPC), que autoriza a reeleição do presidente Evo Morales e demais autoridades bolivianas. Por isso, a eleição é considerada uma espécie de referendo sobre Morales.

Dos 6,4 milhões de eleitores registrados, apenas 4,5 milhões se inscreveram para participar da votação. Em Santa Cruz de la Sierra, capital econômica do país, a população é de maioria opositora e contrária à votação.

A primeira vez que a Bolívia realizou eleições para o Judiciário foi em 2011. Muitas pessoas compareceram às urnas porque o voto é obrigatório no país. Quem não pôde ir, teve que justificar o voto. A eleição foi programada para nomear 26 juízes e 26 suplentes do Tribunal Constitucional, do Supremo Tribunal de Justiça, do Conselho da Magistratura e do Tribunal Agroambiental.

Depois de votar, Evo Morales afirmou que a votação “é a única forma de mudar, melhorar a justiça boliviana” e que “não votar é como não existir”.

Presidente eterno

Na presidência desde 2006, Evo Morales ganhou há poucos dias o direito a concorrer a mais uma eleição para se manter no poder. O presidente e as demais autoridades eleitas terão direito a se reeleger indefinidamente de acordo com a decisão anunciada pelo Tribunal Constitucional Plurinacional.

Com isso, o Morales poderá concorrer pela quarta vez ao Palácio Quemado. Esse é o motivo da queixa dos opositores que são contra a continuidade de Evo no poder.

Em um referendo realizado em 2016, a maioria dos bolivianos manifestou ser contra a reeleição presidencial, mas Evo Morales afirmou que a decisão do TCP é o “mandato, a ordem do povo boliviano”. Este foi o motivo de protestos em algumas das principais cidades do país na semana passada, quando dezenas de pessoas saíram às ruas para pedir democracia. A próxima eleição presidencial acontece na Bolívia em 2019.

Embora a Bolívia seja o país sul-americano com os melhores índices de crescimento econômico dos últimos anos, deixando para trás aquele sinônimo de atraso e pobreza, a população teme que o presidente Evo Morales fique indefinidamente no poder. Um dos medos da população é que a democracia seja ignorada e que a Bolívia seja a próxima Venezuela, em referência à continuidade de um mesmo partido político no poder por muitos anos.

Itália recusa cortar gastos contra déficit, mas quer evitar multa da UE

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas