rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Jerusalém Donald Trump

Publicado em • Modificado em

Palestinos voltam a atirar pedras contra decisão dos EUA sobre Jerusalém

media
Manifestantes palestinos atiram pedras contra forças israelenses em Ramallah, Cisjordânia. REUTERS/Goran Tomasevic

Centenas de palestinos voltaram a manifestar e lançaram pedras contra as forças israelenses nesta quarta-feira (20) nos territórios palestinos para protestar contra a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.


Cerca de mil pessoas protestaram no posto de controle de Qalandiya, entre Jerusalém e Ramallah, na Cisjordânia ocupada. Muitos dos manifestantes jogaram pedras nas forças israelenses. Os soldados e policiais israelenses reagiram com gás lacrimogêneo, bombas de efeito moral e balas reais.

Protestos e confrontos também ocorreram em Hebron e Nablus (sul e norte da Cisjordânia) e na Faixa de Gaza, separado da Cisjordânia pelo território israelense, de acordo com jornalistas locais da AFP.

Nove palestinos ficaram feridos na Cisjordânia, informaram os serviços de emergência.

Mike Pence adia viagem para janeiro

Os palestinos haviam convocado protestos nesta quarta-feira por ocasião da visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, a Jerusalém. Pence, que adiou a viagem para janeiro, é acusado de ter influenciado fortemente a decisão do presidente americano de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

Muitos especialistas veem esta iniciativa como um gesto de Trump em direção aos evangélicos, que são parte importante de seu eleitorado e do qual Pence faz parte

A Casa Branca anunciou o adiamento da visita de Pence, justificando a decisão para permitir que ele esteja presente para uma votação crucial no Senado.

A declaração de Trump, rompendo com décadas de diplomacia americana e internacional sobre o status de Jerusalém, uma das questões mais difíceis no conflito israelense-palestino, tem provocado protestos e confrontos quase diários nos Territórios palestinos.

As tensões deixaram desde 6 de dezembro oito mortos e dezenas de palestinos feridos.