rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Brasil deve ajudar Venezuela a encontrar um novo caminho, diz professor da UnB

Por Taise Parente

As relações diplomáticas entre Brasil e Venezuela estão em queda livre. Isso depois que o país de Nicolás Maduro declarou o diplomata brasileiro, Ruy Pereira, como "persona non grata" no último sábado (23). O Itamaraty reagiu na terça-feira (26) e, antes mesmo de receber o comunicado oficial da Venezuela, decidiu tomar uma medida similar com relação ao diplomata venezuelano Gerardo Delgado. 

As relações diplomáticas bilaterais foram congeladas em agosto de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, considerado por Maduro como um golpe de estado.

"A atitude é claramente uma resposta à política de endurecimento de Maduro em relação a esse governo brasileiro e sua política externa," explica o professor do Instituto de Relações Internacionais da UnB, Thiago Gehre Galvão.  

Segundo o especialista, o fim da chamada "maré vermelha" - uma virada à esquerda que ocorreu no início dos anos 2000 na América Latina - e a chegada de uma nova onda conservadora na região fizeram com que governos como o da Venezuela não fossem bem aceitos. 
  
"O que a gente percebeu com a ascensão do presidente Michel Temer  foi uma clara mudança de perspectiva, de visão de mundo em relação à política exterior brasileira e a implicação direta disso foi uma quase intolerância em relação a regimes ditos ditatoriais, centralizadores, com claras inclinações ideológicas à esquerda. Isso gerou obviamente um certo descontentamento por parte do governo do Nicolás Maduro," explica.

Outros problemas são os excessos do governo venezuelano e suas tentativas de controlar as instituições democráticas do país. "A consequência imediata é que a Venezuela acaba entrando em uma espécie de limbo político porque você tem que reagir a esses excessos e acaba isolando o país dentro do contexto político sul-americano. O país está enfrentando isso no Mercosul e na Organização dos Estados Americanos," afirma Galvão.

Atitude do Brasil mudou, mas ainda não é suficiente

O Brasil e outros países do Mercosul vêm endurecendo a postura crítica em relação à Venezuela, inclusive suspendendo o país do bloco depois da eleição de uma nova Assembleia Constituinte em agosto. 

Segundo Galvão, a posição brasileira é acertada. "O Brasil demorou muito a reagir. A política externa brasileira passou por momento sensível de desgoverno, descontrole, e agora o Ministério das Relações Exteriores parece ter encontrado o rumo certo, que é exatamente isso: encontrar dentro do direito internacional e das grandes instituições internacionais o caminho para poder pressionar e se posicionar frente a diversos governos, e não apenas à Venezuela. O que a gente percebe é que o Brasil não está interferindo diretamente, mas não está indiferente ao que acontece no vizinho sul-americano," explica.

Quanto ao futuro das relações entre os dois países, o especialista é claro, para que melhorem é preciso que a Venezuela mude e o Brasil deve ajudar. "A Venezuela não vai conseguir fazer isso sozinha. Ela passa por graves problemas econômicos e há um claro esgotamento do modelo político do Chavismo. É preciso uma maior cooperação dos países latino americanos e em particular do Brasil, que deve tomar medidas positivas e ajudar a Venezuela a encontrar um novo caminho," diz Galvão.  

*Clique na foto acima para ouvir a entrevista completa.

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa