rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Bailarina brasileira do clipe de Nick Jonas se identifica com valores da música "Home"

Ela é brasileira, mora nos Estados Unidos e é apaixonada pelo flamenco, dança típica espanhola. Mas, vendo Raquel Leal dançar, a gente consegue perceber que ela traz nos passos um gingado que mistura o fato de ser brasileira e ao mesmo tempo do mundo. Foi essa capacidade de adaptação que a colocou em destaque no novo clipe do cantor americano Nick Jonas – ex-integrante do grupo Jonas Brothers.

Cleide Klock, correspondente em Los Angeles

A música Home, dançada por Raquel e outros bailarinos na produção, é tema da nova animação do diretor também brasileiro Carlos Saldanha – O Touro Ferdinando. A canção foi indicada ao Globo de Ouro e é uma forte candidata a estar na lista das músicas originais selecionadas para concorrer ao Oscar.

Raquel conta que foi chamada para dançar na produção, mas, como acontece com frequência, o nome do cantor do clipe não havia sido divulgado. Ela não teve tempo para treinar uma coreografia.

"Ele é um artista bem humilde, foi super simpático, tímido e foi tudo bem rápido. Fizemos a gravação em um sábado. Quando chegamos lá que começamos [ela e as outras duas bailarinas] a criar a coreografia. Muitos dos movimentos eu criei na hora e o diretor do clipe [Nicholas Lam], vendo a coreografia, teve a ideia de colocar a gente ao redor do Nick Jonas."

No clipe, o cantor, que escreveu e dá voz à música, aparece no centro de uma arena de touradas, vazia, tocando violão. À medida que a música avança e diz que o lugar que faz a gente se sentir bem é o que chamamos de casa, um grupo de bailarinos, que tem como tema a diversidade racial, social e cultural, o rodeia. O filme também fala de tolerância e da aceitação das diferenças.

"Para mim foi muito importante participar de uma produção que passa uma mensagem tão importante. A música fala de valores familiares, que ele [Jonas] criou pensando principalmente na família dele, sendo que para mim a família tem uma importância essencial na vida. Fala também das diferentes etnias e raças em um mesmo lugar, juntas. Então acho que essa é uma mensagem tão linda de se passar hoje em dia, quando a gente vê tantas notícias de atos violentos."

Raquel dança desde os seis anos de idade, é formada em balé clássico pelo Conservatório Musical Carlos Gomes, tradicional academia de dança de Barretos, cidade natal da bailarina, mas durante toda a vida experimentou do jazz ao sapateado e se apaixonou pelo flamenco ainda em São Paulo. Desde 2003, mora na Califórnia e é uma das fundadoras do grupo de dança Pasión Flamenca de Los Angeles. Antes de dançar na produção de Nick Jonas, Raquel já havia dançado no clipe da música Warrior, da cantora albanesa Anjeza Angie Gega, e fez testes para dançar com Madonna e Shakira.

"As oportunidades meio que acontecem, eu estou sempre de olho nas possibilidades de trabalho com grandes artistas, mas meu foco maior tem sido meu grupo de dança. Tenho ensaios semanais e dou aula para adultos e crianças, além de ter um trabalho o dia inteiro na área de marketing. Essas oportunidades vêm até mim na maioria das vezes porque um trabalho leva a outros."

O clipe de Home já tem mais de 2 milhões de visualizações desde o lançamento, em dezembro, e a participação de Raquel já abriu novas portas. Ela está conversando com duas cantoras sobre possíveis produções, mas ainda não pode revelar nomes.

Paixão por fusão

Assim como o flamenco vem de uma fusão cheia de influências das culturas cigana, moura e árabe, Raquel tenta colocar nos seus passos um pouco do que a define. O grupo de dança em que ela atua traz nas coreografias uma mistura de flamenco com dança moderna, afrocubana, jazz, salsa, bachata e até samba. A próxima apresentação da companhia acontece em Beverly Hills, no dia 11 de março.

"Acredito que viver de arte tem muitos desafios, principalmente porque a carreira é curta e de baixa remuneração. Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos não é fácil viver de dança. Mas a grande diferença é que aqui existe a possibilidade de encontrarmos produções maiores, apesar de ser um mercado mais competitivo acabamos tendo a oportunidade de participar de produções com maior repercussão internacional, com orçamento maior e quando você faz parte de um trabalho grande há mais reconhecimento e chance de novos trabalhos futuros.”

Para quem tem interesse e o sonho em se arriscar nessas grandes produções com artistas de renome internacional, Raquel dá um conselho: "Prepare-se, estude bem a arte, dedique-se, tenha perseverança, disciplina e esteja apto a criar coreografias de maneira bem improvisada. Use bem a criatividade nesse sentido porque a oportunidade com o preparo já é um bom caminho para conseguir resultados com sucesso".

 

Brasileiros que querem se mudar para Israel esperam resultado das eleições para tomar a decisão

Jovem cientista brasileira ajuda a criar plataforma mundial sobre alimentação

Tereza Ventura mudou-se há um ano para a Alemanha para investigar o ativismo pós-colonial

Turismo religioso leva brasileiros à Jordânia, conta a agente de turismo paranaense

Compositor brasileiro transforma "O Sétimo Selo", de Ingmar Bergman, em ópera na Suécia

Bernardo Lobo diz que seu processo de criação artística mudou para melhor em Lisboa

Nostalgia soviética é objeto de estudo de historiador brasileiro em Moscou

Na Itália, jovens de Ribeirão Preto usam a hipnose como arte e experimento social

“É melhor ser negro na Rússia do que no Brasil”, diz músico que trocou São Paulo por Kazan

Cultura brasileira é mais valorizada na Europa do que no Brasil, diz fotógrafa italiana que viveu dez anos ao lado de mãe de santo