rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil- América Latina
rss itunes

Escola de samba argentina se inspira no Carnaval carioca

A escola argentina Estação Primeira de Lanús reproduz o melhor do samba carioca, compõe em português e acaba com o mito de que todo estrangeiro é "doente do pé".

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O que você acharia se lhe contassem que uma escola de samba argentina compõe sambas-enredo e canta em português? Provavelmente, desconfiaria. Mas o ensaio da escola Estação Primeira de Lanús é digno de ser comparado ao de uma pequena escola de samba brasileira: passistas, malandros, mestre-sala, porta bandeira e uma bateria com paradinhas, bossas e até coreografias. Todos em busca da excelência.

Tudo por aqui tem inspiração nas escolas de samba cariocas. Lanús é um município do subúrbio ao Sul de Buenos Aires que cresceu ao redor da estação ferroviária. Daí, a alusão à carioca Mangueira. Já o símbolo da escola, um trem na Praça da Apoteose, é como uma imaginária linha que une o Rio de Janeiro a Lanús ou, melhor, à "baixada lanusense", como os fundadores da escola apelidaram a região onde tudo começou.

Brasil quer tirar do Caribe os turistas argentinos que viajarem no verão

Brasil faz primeira ação coordenada de turismo LGBT no mercado internacional

Cruzamento de dados da Lava Jato e da Cadernos da Corrupção pode revelar novos crimes

Na história da seleção argentina, a grande co-protagonista é a brasileira

“Se saísse um empate, eu ficaria feliz”: sem rivalidade, brasileiros torcem pela Argentina

Degustação de vinhos em bairro inteiro de Buenos Aires atrai brasileiros

“Argentina combate corrupção com menos eficácia que o Brasil, mas também com menos crise”, diz secretário de Macri

Eventual condenação de Lula alimentaria demanda por transparência na região, diz cientista político

Vinho argentino vira atração para turistas brasileiros em Buenos Aires

Missionárias brasileiras, os anjos dos migrantes venezuelanos em Bogotá

Bienal de Arte aposta na realidade aumentada para projetar América do Sul para o mundo