rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Os equatorianos voltam às urnas neste domingo (4) para uma consulta popular que deve marcar um novo rumo para o governo, apenas nove meses depois de terem eleito o governista Lenín Moreno presidente. Moreno havia sido escolhido para dar continuidade do modelo político e econômico iniciado pelo ex-presidente Rafael Correa - mas, desde que assumiu em maio passado, governou no sentido contrário.

Marcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

Trata-se de uma reforma na Constituição: das sete perguntas, que podem ser votadas separadamente, três são cruciais para derrubar o legado do bolivariano Rafael Correa. A versão da "Ficha Limpa" no Equador será ainda mais abrangente do que a brasileira. Os equatorianos vão votar se querem que condenados por corrupção tenham perda vitalícia dos direitos civis e também dos bens.

Os eleitores vão definir ainda se querem manter a reeleição indefinida, aprovada em 2015, durante o mandato de Correa, ou se um candidato só pode ser reeleito uma única vez, como era antes. A decisão inclui aqueles que já foram reeleitos, como o próprio ex-presidente. Essas duas definições apontam claramente contra Rafael Correa.

Outra consulta é a reestruturação do chamado Conselho de Participação e Controle Social que designa o procurador-geral, o procurador do Estado, o chefe do Tribunal de Contas, os membros do Conselho Nacional Eleitoral e até da Corte Suprema. Com essa reforma, Moreno designaria novas autoridades.

Todas as sete perguntas têm entre 60 e 85% de aprovação, segundo as pesquisas.

Duelo entre ex-aliados

Apesar de o Equador ter sido o único país da América do Sul onde a oposição de direita não ganhou as eleições nos últimos dois anos, essa virada pode começar agora. Lenín Moreno passou da confrontação à conciliação com setores considerados antes inimigos, como empresários, opositores, organizações indígenas e jornalistas. Incentivou o combate à corrupção e permitiu que a Justiça atuasse sobre o vice-presidente e braço direito de Correa, Jorge Glas, condenado a seis anos de prisão por formação de quadrilha e corrupção no caso Odebrecht.

Jorge Glas foi acusado de ficar com 13 dos 33 milhões de dólares que a construtora brasileira admitiu ter pago em subornos no Equador. A trama da corrupção pode chegar ao próprio ex-presidente Correa.

Lula entra na campanha

Nesse contexto, a condenação do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva entrou na campanha. A sentença no Brasil foi motivo de debate nesta reta final da campanha no Equador porque o país vai votar a sua própria "Ficha Limpa" e porque Rafael Correa e Lula eram aliados.

Rafael Correa diz que se trata de uma "perseguição política" e que querem fazer o mesmo com ele no Equador. Já entre os opositores a Correa, o Brasil é posto como um exemplo de investigação. Ou seja: se no Brasil a Justiça chegou até Lula, por que não chega até Correa no Equador?

A chamada "Morte Civil" dos condenados por corrupção tem apoio entre 70 e 84% dos equatorianos, de acordo com as pesquisas. Para que a "Ficha Limpa" equatoriana chegue até Rafael Correa, isso significa que, em algum momento, o ex-presidente poderá também ser condenado por corrupção – é o que está no horizonte.

Mudança de rumos à vista

Em entrevista à RFI, o cientista político equatoriano Simón Pachano, da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (FLACSO) avalia que a campanha evoluiu para essa disputa: evitar ou não que Correa volte ao poder. Entretanto, não foi esse o objetivo inicial do presidente Moreno.

Para Pachano, o líder precisa construir poder e ganhar força política diante de Rafael Correa para começar a governar porque, em oito meses, não tomou nenhuma medida importante. É muito provável que Lenín Moreno vença no domingo, mas Pachano explicou que a margem dessa vitória será importante: é o que vai permitir que Moreno consiga ou não fazer uma mudança drástica no rumo do país.

Para o cientista político, a tendência é que, em maior ou em menor medida, haja um giro na política econômica - não tanto por uma questão ideológica, mas por necessidade da economia. Ou seja: é uma consulta popular, mas quase uma nova eleição presidencial.

Eleitores pró-aborto desafiam católicos dogmáticos em referendo na Irlanda

Zuckerberg explicará para UE se Facebook influenciou votação pró-Brexit

Venezuela: maioria dos países vizinhos não reconhece reeleição de Maduro

66% dos britânicos não se interessam pelo casamento do príncipe Harry, diz pesquisa

Ramadã obriga não muçulmanos a seguirem "manual de etiqueta" nos países islâmicos

Palestinos celebram a Nakba sob violências e forte repressão de Israel

Para lucrar com casamento real, lojas vendem até camisinhas com fotos de Harry e Meghan

Apelo ao FMI pode comprometer futuro político de presidente da Argentina

Anúncio de Trump sobre Irã pode acender barril de pólvora no Oriente Médio

Alemanha: segurança é reforçada para evitar quebra-quebra em protestos no 1° de maio

Merkel faz última tentativa de convencer Trump a evitar guerra comercial