rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Acidente abala Carnaval de Oruro, Patrimônio da Humanidade

O governo boliviano realizou uma série de investimentos em Oruro, onde é celebrado o mais tradicional carnaval do país e um dos mais atrativos da região, mas uma explosão que matou pelo menos 8 pessoas tirou o brilho da festa, que todos os anos reúne milhares de turistas, vindos de várias partes do mundo.

Elianah Jorge, correspondente da RFI em Bolívia

O Carnaval de Oruro é considerado pela Unesco Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade. Esse ano o governo boliviano instalou em Oruro, a sexta maior cidade do país, um sistema de teleféricos, a cerca de 3.700 metros do nível do mar.

De acordo com o Ministério de Turismo da Bolívia, até domingo, pelo menos 45 mil pessoas participaram da festa de carnaval, que movimenta anualmente US$15 milhões (cerca de R$ 49 milhões). A festa folclórica na verdade é uma homenagem à Pachamama, como é chamada a Mãe Terra na cultura andina. Para agradecer essa divindade, os bolivianos tocam e dançam animadamente para agradecer as colheitas de todo o ano.

Diversas pessoas se reúnem nas "fraternidades", como são chamados os blocos de carnaval, que desfilam dia e noite por um percurso até o santuário da Virgem de Socavón. O carnaval de Oruro reflete as tradições de diversas culturas bolivianas, seja através das roupas e dos ritmos musicais, que podem ser os tinkus, as morenadas, as diabladas e os caporales.

Explosão estraga festa

Esse ano, a festa foi afetada pela explosão que matou oito pessoas e deixou pelo menos 40 feridos. O acidente aconteceu na noite deste sábado (10), em uma venda de comida ambulante localizada nas proximidades da entrada do local dos desfiles.

De acordo com testemunhas, a explosão aconteceu após o óleo quente usado no preparo de alimentos ter caído sobre a mangueira de um botijão de gás, que acabou explodindo.

O presidente Evo Morales não foi a Oruro, mas enviou uma mensagem de solidariedade aos familiares das vítimas e aos feridos na explosão. O país sofre com as chuvas e recentemente o presidente declarou estado de emergência por causa das enchentes que, desde novembro do ano passado, afetam sete regiões da Bolívia e já causaram a morte de pelo menos 14 pessoas em diversas partes do país. Há poucos dias, Morales visitou a cidade de Tupiza, localizada ao sul do departamento de Potosí, bastante afetada pelas chuvas.
 

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância