rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Argentina se inspira na legislação brasileira para combater a corrupção

Por Márcio Resende

Nesta quinta-feira, a partir das 11h pelo horário de Brasília, o presidente argentino, Mauricio Macri, fará o tradicional discurso na Câmara de Deputados que abre as sessões legislativas do ano. Na plateia, deputados, senadores, juízes, promotores e líderes sociais vão ouvir as iniciativas do governo em novas leis, algumas inspiradas na legislação brasileira.

Correspondente da RFI em Buenos Aires

A operação Lava Jato no Brasil revelou ferramentas de combate à corrupção que são consideradas exemplos de eficácia para a Argentina. Na direção inversa, a Argentina poderia servir de inspiração ao Brasil se prosperar outra iniciativa do governo argentino: o aborto legal e gratuito.

Macri vai indicar aos legisladores o que considera necessário para o país neste terceiro ano de governo. Ele deve pedir a aprovação da reforma trabalhista, que está emperrada, e a adoção de outras medidas inspiradas no contexto brasileiro, como uma reforma política e uma reforma do código penal. Macri também pode pedir uma espécie de lei da Ficha Limpa para a Argentina e uma nova lei de ética pública. São iniciativas que visam a transparência e o combate à corrupção.

Ficha Limpa argentina deve evoluir

Assim como no Brasil, a lei argentina deve proibir candidatos condenados por corrupção. Mas há algumas diferenças. No Brasil, o condenado em segunda instância fica proibido de concorrer a algum cargo durante oito anos apenas. No vizinho, o condenado já em primeira instância fica proibido durante a quantidade de anos da sentença. A lei também prevê a perda de bens oriundos da corrupção.

A Argentina já tem uma lei da Ficha Limpa, mas apenas para os condenados com sentença confirmada no Supremo Tribunal. Isso permitiu, por exemplo, que o ex-presidente Carlos Menem fosse reeleito senador, mesmo já condenado em todas as instâncias anteriores.

Macri também vai pedir a aprovação de uma reforma da lei de ética pública para todos os poderes. Em parte, a inspiração para o endurecimento da ética pública vem de legislações comparadas na região, inclusive a legislação brasileira.

Desde que Macri assumiu há dois anos, a Argentina vem adotando medidas que deram certo no Brasil. Foi assim com a chamada "lei do arrependido", baseada na experiência brasileira com a "delação premiada". No ano passado, o país aprovou a responsabilidade penal das pessoas jurídicas, que é a penalização das empresas envolvidas em casos de corrupção. Isso para levar empresários à prisão e à confissão dos crimes.

Por outro lado, a nova lei de ética pública que Macri vai pedir ao Congresso impõe mais controle sobre os bens dos membros do Executivo, do Legislativo e do Judiciário. Ela deve abranger o patrimônio de sindicalistas, num momento em que eles ameaçam bloquear a reforma trabalhista. Vários sindicalistas são suspeitos de corrupção.

Financiamento eleitoral

A Lava Jato brasileira será inspiração ainda para outras reformas. A corrupção transnacional das empreiteiras brasileiras, financiando as campanhas de candidatos, fez a sociedade argentina colocar a lupa sobre as regras de financiamento eleitoral.

O governo Macri impulsiona uma reforma que permite o financiamento de empresas nas campanhas em até 3% dos gastos de cada partido. O pacote político prevê maiores medidas de transparência.

A eficácia da Lava Jato também inspira a Argentina na sua reforma do código penal. Com um novo sistema acusatório, as investigações hoje conduzidas por um juiz passam para a esfera de procuradores, a exemplo do que se viu no Brasil com a força-tarefa da Lava Jato. O país quer ampliar a aplicação da prisão preventiva. Atualmente, um condenado pode continuar livre até uma sentença do Supremo Tribunal. O objetivo, no caso argentino, é passar dos atuais cinco anos de demora para uma primeira sentença a apenas oito meses.

Debate sobre legalização do aborto

Embora seja contrário, o presidente Mauricio Macri quer que o Congresso debata o aborto legal e gratuito. Atualmente, a Argentina tem legislação semelhante à brasileira: só permite o aborto em caso de risco de vida da mãe, em caso de estupro ou em caso de uma anomalia letal para o feto. A discussão neste ano vai passar pela legalização ou não do aborto em qualquer circunstância.

Manifestação na Argentina pede fim da imunidade parlamentar de Cristina Kirchner

Após violências em Roraima, Brasil reforça segurança na fronteira com a Venezuela

Proibição do véu islâmico integral gera onda de protestos na Dinamarca

Destino preferido dos brasileiros na Europa, Portugal vive bolha imobiliária

Evo Morales inaugura nova sede de governo criticada pelo custo milionário

Itália: estudo mostra que população tem ideias equivocadas sobre imigrantes

Incêndios na Suécia atingem área equivalente a 35.700 campos de futebol