rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Copa do mundo 2026: Trump na contramão

Por Stephan Rozenbaum

No dia 13 de junho deste ano, o mundo vai saber quem sediará a Copa do Mundo FIFA de 2026. De um lado, a candidatura conjunta de Estados Unidos, Canadá e México e do outro, o Marrocos.

As casas de aposta dão como certa a derrota do Marrocos na corrida para sediar a Copa do Mundo de 2026, mas para o presidente norte-americano Donald Trump, a organização conjunta com o México e o Canadá parece mais com uma pedra no sapato.

As federações de futebol dos três países divulgaram um vídeo pelas redes sociais em que convidam todos a participar de um possível Mundial na América do Norte. A união dos três países no plano esportivo mostra o contraste gritante com a realidade geopolítica na região.

Política isolacionista

Segundo o professor de relações internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e doutor em política externa norte-americana pela USP, Sidney Leite, “Donald Trump mostra um grande descaso com o que chamamos de cooperação regional”.

Para os apoiadores da candidatura, Donald Trump é um pesadelo. O magnata insiste em construir um muro quilométrico na fronteira mexicana, visando brecar a grande leva de imigrantes vindos de toda a América Latina.

Outra medida polêmica do governo foi a proibição de cidadãos de vários países de entrar em solo norte-americano. “Um evento como a Copa do Mundo implica uma certa flexibilidade, um certo liberalismo em relação à recepção de estrangeiros, o que colide com os conceitos que Donald Trump tem para a segurança dos Estados Unidos”, afirma Sidney leite.

Base Eleitoral

Apesar de um interesse cada vez maior dos jovens norte-americanos pelo futebol, a base eleitoral de Donald Trump segue na contramão. O futebol é tido como um esporte “estrangeiro” que não se identifica com a cultura tradicional dos Estados Unidos. A comentarista norte-americana ultraconservadora, Ann Coulter, chegou a dizer que o aumento do interesse pelo esporte mostra a “decadência moral do país”.

O professor Sidney Leite acredita que caso a candidatura unificada seja escolhida, protestos podem acontecer pelo país. “Não é possível descartar manifestações contra o evento, principalmente nos rincões dos Estados Unidos, na América profunda, onde Donald Trump conseguiu construir uma base de apoio disposta a se manifestar nas ruas” afirma o professor.

Declarações polêmicas

Nos últimos meses os comentários polêmicos de Donald Trump nas redes sociais começaram a atrapalhar a campanha dada como imbatível. Ao chamar os países africanos de “buracos de merda” no início do ano, o presidente norte-americano provocou o pânico entre os cartolas dos Estados Unidos. Vale lembrar que virão da África os mais de 25% dos votos que decidem a sede da Copa.

O governo marroquino decidiu contratar um dos maiores especialistas em comunicação, Mike Lee, que ajudou o Rio de Janeiro a levar os Jogos Olímpicos de 2016 e conseguiu com sucesso a Copa do Mundo para o Catar em 2022. Os marroquinos alegam que apenas não ficaram com a Mundial de 2010 por causa de um pagamento de 10 milhões de dólares que os sul-africanos fizeram para comprar votos na Fifa.

Com ou sem copa

Donald Trump não será mais presidente em 2026 mas os anos anteriores ao evento podem interessar o magnata, principalmente pelo viés econômico. “A Copa do Mundo tem atraído muitos patrocínios e Trump pode querer associar sua imagem a preparação do evento” lembra Sidney Leite.

O futebol nos Estados Unidos deve continuar crescendo. O número de jogadores passou de 11 para 16 milhões entre 2009 e 2016. A média de público na “Major League Soccerjá ultrapassou a marca de 20 mil espectadores por partida e a contratação de estrelas mundiais do esporte, como o sueco Zlatan Ibrahimovic, tem garantido a exposição mundial.

Didier Deschamps confia nos jovens da seleção francesa para surpreender na Copa

"Adoraria ser treinador do Neymar", diz Thiago Motta após despedida como jogador

"Temos qualidade para chegar à final da Liga Europa", diz brasileiro do RB Salzburg

"Correr é o melhor antidepressivo que existe", diz corredor brasileiro da Maratona de Paris

Thiago Silva dedica título do PSG da Copa da Liga ao treinador Unai Emery

Brasileiro Cirilo Cardoso conta como é jogar em um time do Partido Comunista da Rússia

Fracasso no Grand Slam de Paris não compromete metas do judô brasileiro

Brasil diminui participação de atletas mas espera bons resultados em Olimpíadas de Peyongchang

Bobsled do Brasil quer ficar no Top 10 nas Olimpíadas de Inverno de PyeongChang

“Arsenal e Real Madrid são clubes que todos sonham em jogar”, diz Malcom sobre possível transferência

Competição de esqui para brasileiros nos Alpes Franceses chega à 5ª edição

Observatório do futebol: jogador mais caro do mundo, Neymar vale € 213 milhões

Nantes pode ficar entre os cinco do campeonato francês, acreditam brasileiros do time