rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Nicarágua Protestos Daniel Ortega

Publicado em • Modificado em

Jornalista é morto a tiro enquanto cobria ao vivo protestos na Nicarágua

media
Um manifestante segura uma bandeira da Nicarágua ao lado de uma barricada em chamas enquanto manifestantes participam de um protesto contra uma reforma controversa dos planos de pensão do Instituto Nacional de Seguro Social da Nicarágua (INSS) em Manágua, REUTERS/Jorge Cabrera

Um jornalista da Nicarágua foi morto por um tiro no sábado (21) à noite enquanto transmitia ao vivo um confronto entre manifestantes e policiais, em meio a uma onda de protestos que abalam o governo de Daniel Ortega e deixaram 11 mortos, segundo o governo, e 25, segundo os manifestantes.


Miguel Ángel Gahona morreu na cidade caribenha de Bluefields por causa de um tiro enquanto cobria o confronto na noite de sábado, informou sua colega Ileana Lacayo à TV Channel 15.    

"Acreditamos que foi um atirador que fez o tiro, não foram os jovens. Os únicos que andaram com armas foram a polícia e a polícia de choque", disse a comunicadora.   

Durante os protestos que abalam o país desde a última quarta-feira, jornalistas da mídia independente foram atacados, temporariamente detidos ou tiveram roubados seus equipamentos de trabalho, como denunciaram, enquanto o governo bloqueou a transmissão de quatro mídias independentes, embora apenas uma continue fechada.    

Um clima quente é respirado nas ruas de Manágua, onde jovens mantêm estradas bloqueadas com fogueiras e barricadas de pedras, em protestos iniciados contra uma reforma do sistema previdenciário.    

O presidente Ortega, em uma tentativa de impedir os protestos, concordou no sábado em dialogar com o setor privado sobre a reforma da lei de seguridade social, mas excluiu outros setores e os jovens rebeldes, que inflamaram as almas dos manifestantes.

Diante do crescente descontentamento, o sindicato empresarial respondeu a Ortega que "não pode haver diálogo" se o governo "não cessar imediatamente a repressão policial", respeitando a liberdade de manifestação e de imprensa.    

Segundo Ortega, os protestos são encorajados por grupos políticos críticos de seu governo e que recebem financiamento de setores extremistas dos Estados Unidos. Eles fazem isso para "semear terror, semear, insegurança", atacou.        

Respostas violentas

Depois do discurso do presidente, o primeiro desde que as manifestações violentas começaram na quarta-feira, centenas de jovens entraram em confronto novamente com a polícia de choque na capital.    

Com os rostos cobertos de camisetas, os manifestantes ergueram barricadas nas ruas e jogaram pedras nos policiais, que os reprimiam com gás lacrimogêneo.    

"Se é assim que o governo acha que as coisas vão dar certo, é assim que vai ser feito!", exclamou um jovem manifestante.    

Os protestos continuaram em Manágua e outras cidades como Matagalpa, Camoapa, León, Carazo e Bluefields, um dos principais centros do Caribe.    

Os protestos, um dos mais violentos dos 11 anos de governo de Ortega, eclodiram devido ao aumento das cotas que buscam pagar um déficit milionário à seguridade social, o que aumenta o descontentamento generalizado sobre a situação econômica do país, segundo analistas.

Soldados armados com rifles protegem escritórios públicos em Manágua, bem como na cidade de Estelí, no norte do país, oferecendo "proteção a entidades e objetivos estratégicos" do país, disse o Exército.    

O dia dos protestos causou danos ao Ministério da Juventude, ao prédio do Seguro Social, à Universidade de Engenharia e à oficial Rádio Ya, em Manágua.    

Nas cidades de Leon e Masaya houve "queima de veículos particulares, saques e destruição de prédios públicos e roubos em shopping centres”, segundo o governo.    

Enquanto isso, a oposição denunciou a queima parcial da Rádio Darío na cidade de León, ocorrida na noite de sexta-feira.    

Para a Anistia Internacional, a "resposta violenta das autoridades a essas manifestações tem implicações profundamente perturbadoras para os direitos humanos na Nicarágua".       

As pessoas pedem mudanças        

Analistas e líderes empresariais concordam que os protestos "vão além da insatisfação com as reformas do sistema previdenciário".    

"Isso não é visto há anos na Nicarágua", disse Carlos Tünnermann, ex-embaixador da Nicarágua junto à OEA e aos Estados Unidos.    

Que os protestos ocorram "em quase todas as cidades do país, em todas as universidades e que foram reprimidos com violência pelo governo, significa que há um mal-estar da população não só pelas reformas, mas pela maneira como o país foi impulsionado ", disse Tünnermann.    

Segundo especialistas, a população sofreu silenciosamente o aumento do custo de vida devido aos constantes aumentos nos preços de combustíveis e eletricidade, demissões no setor público e redução de benefícios sociais, como resultado da queda da cooperação venezuelana.   

"A reivindicação central do povo é que eles não querem mais esse governo, há uma rejeição total a esse governo", afirmou o sociólogo e acadêmico universitário Cirilo Otero.    

As reformas buscam resolver um déficit de mais de 76 milhões de dólares do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), por recomendação do Fundo Monetário Internacional (FMI).    

Ortega, que governou pela primeira vez durante a Revolução Sandinista na década de 1980, voltou ao poder em 2007 e foi reeleito em 2011 e em 2016 em meio a alegações de processos eleitorais fraudados, segundo a oposição.

(Com informações da AFP)