rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Apelo ao FMI pode comprometer futuro político de presidente da Argentina

Para frear uma corrida cambial contra o peso argentino, o presidente argentino, Mauricio Macri, jogou a sua carta mais alta: voltar a pedir um empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI). A decisão pode compreter o futuro político do líder, que tentará se reeleger no próximo ano. 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O presidente Mauricio Macri enfrenta o seu momento mais crítico desde que assumiu o poder em dezembro de 2015. São horas cruciais para a economia argentina e para o futuro político do presidente.

Não há dúvida de que, com o novo apelo ao FMI, Macri vai pagar um alto custo político. A questão é quanto? E se essa jogada não der certo, qual será o plano alternativo para ser reeleito?

O presidente argentino não tinha muitas opções para conseguir tanto dinheiro, de forma rápida e a juros baixos.
 
Para o cidadão argentino, o Fundo Monetário Internacional é sinônimo de drásticos ajustes impostos ao país que derivaram em fortes crises econômicas. Se a oposição já associava Mauricio Macri ao neoliberalismo, a ida ao FMI agora reforça esse discurso opositor.
 
Um programa de ajuste será condição para a linha de crédito do FMI. Paradoxalmente, o mesmo mercado que prejudica os planos de um Macri reeleito é o mesmo que teme uma derrota de Macri nas urnas. Esses mesmos agentes econômicos temem o retorno de um governo menos amistoso aos mercados.

Negociações podem durar semanas

Segundo o próprio Ministério da Fazenda argentino, as negociações são por um crédito tradicional com o FMI, denominado Stand By. Essas negociações podem durar até seis semanas.
 
Nas últimas horas, foram reuniões técnicas e a principal acontece na tarde desta quinta-feira (10), entre o ministro da Fazenda argentino, Nicolás Dujovne, e a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde.
 
O montante do acordo teria como piso US$ 30 bilhões e seria preventivo. Ou seja: o empréstimo seria desembolsado em partes, ao longo de dois a três anos, à medida que a Argentina precisar e à medida que o país cumprir com as exigências do FMI, que devem ser por um ajuste nas contas públicas para reduzir o déficit fiscal.
 
A linha de crédito seria o sinal que a Argentina precisa enviar ao mercado para evitar uma corrida contra o peso argentino que se desvalorizou 19% desde o começo do ano e que poderia sofrer um forte ataque nos próximos dias.
 
Última cartada
 
A ideia de recorrer ao FMI ganhou força na segunda-feira (7), depois que o ministro das Finanças, Luis Caputo, informou ao presidente Macri que não haveria mais possibilidade de conseguir financiamento a taxas de juros baixas e que se gestava um ataque letal contra o peso.
 
Na próxima terça-feira (15), vencem cerca de US$ 35 bilhões em títulos públicos em pesos. A maior parte desses papeis pertence aos bancos, mas uma parte significativa pertence a particulares que poderiam receber os pesos e comprar dólares, fazendo disparar o valor da moeda norte-americana. Macri foi advertido desse risco iminente.
 
Na última terça-feira (8), em meio a uma nova corrida cambial contra o peso, o presidente conversou com Christine Lagarde, e teve um sinal também dos Estados Unidos, ambos decididos a evitar uma queda da Argentina, considerada o modelo a ser seguido na região, em contra-cara com a Venezuela.
 
A dúvida é se US$ 30 bilhões serão suficientes ou se o poder de fogo deveria ser ainda maior.

Consequências para o Brasil 

Os economistas calculam que, com a alta do dólar e dos juros, o crescimento econômico da Argentina de 3,5% previsto para 2018, poderia cair a 2%. A inflação 15% prevista para o ano poderia ficar entre 20 e 25%. Se o FMI impuser ajustes que limitem a economia, pior ainda.
 
A Argentina é o principal mercado para os produtos industrializados brasileiros como os automóveis, por exemplo. Uma Argentina que cresce menos, compra menos. E isso afeta a recuperação brasileira, ainda mais num ano eleitoral que, por si só, gera incertezas.

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca

Em momento conturbado na Arábia Saudita, Brasil enfrenta Argentina em amistoso