rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Guerra comercial: EUA visam boicote ao capital chinês em empresas de tecnologia

A tensão entre os Estados Unidos e a China cresceu nesta semana com notícias de que o Departamento do Tesouro americano estaria prestes a lançar um plano para limitar os investimentos chineses em empresas de tecnologia no território americano.

Ligia Hougland, correspondente da RFI em Washington

Esta expansão, na opinião do governo, poderia ameaçar a segurança econômica e nacional dos Estados Unidos. Segundo informações divulgadas pela agência Bloomberg e o Wall Street Journal, para vencer a batalha comercial com a China, o governo deve anunciar nos próximos dias um boicote ao investimento de empresas chinesas em firmas de tecnologia, além do bloqueio de mais exportações de tecnologia o país. No entanto, há disparidade entre o que é dito dentro do governo de Donald Trump, pois a informação varia conforme a fonte.

De acordo com a fonte citada nas matérias da Bloomberg e do Wall Street Journal, o departamento do Tesouro americano impediria que empresas com pelo menos 25% de propriedade chinesa comprassem negócios em áreas de “tecnologia industrialmente importantes”.

A medida seria uma resposta ao plano “Feito na China 2025”, apresentado pelo presidente Xi Jinping. O chefe de Estado chinês espera que seu país se torne líder global em 10 áreas, incluindo tecnologia da informação, aeroespacial, veículos elétricos e biotecnologia. O plano chinês de longo prazo realmente representa uma ameaça à liderança – e talvez mesmo à segurança – americana, acredita o governo.

Secretário nega informação

O secretário do tesouro, Steven Mnuchin, disse nesta segunda-feira (25) no Twitter que as reportagens sobre as restrições ao investimento chinês eram “falsas” e que a fonte que deu essas informações não existia ou tinha pouco conhecimento sobre o assunto. Mnuchin afirmou que as restrições não eram específicas para a China, mas sim qualquer país que estivesse tentando “roubar” tecnologia americana. A declaração do secretário do Tesouro acalmou um pouco os mercados, que registraram queda nas ações de tecnologia nesta segunda-feira.

Os chineses já vêm falando de represália em relação aos impostos que o governo americano vai impor a partir de 6 de julho aos produtos chineses. A medida representa inicialmente um valor de US$ 34 bilhões, que pode subir para US$ 450 bilhões se Pequim impor sanções a produtos americanos.

Jinping tem respondido às ameaças em tom tão duro quanto o de Trump. Na semana passada, o presidente chinês disse a um grupo de altos executivos de grandes empresas europeias e americanas que os chineses não seguem o princípio ocidental de “oferecer a outra face” quando se é atacado e sim de “dar um soco em quem atacou. Ainda assim, o ministério chinês das Relações Exteriores disse que espera que os Estados Unidos proporcionem um ambiente “bom, justo e previsível” para as empresas chinesas.

Redução de investimentos chineses

Já houve uma queda de 90% do investimento chinês nos Estados Unidos nos primeiros cinco meses deste ano em relação ao mesmo período no ano passado. Empresas como a Apple e a General Motors, que têm grande interesse no mercado chinês, temem sofrer represália de Pequim. Tim Cook, CEO da Apple, chegou a ir à Casa Branca no mês passado para pedir que o governo americano seja mais “moderado” na disputa com a China.

As economias dos dois países são bastante integradas e, portanto, ambas nações têm diversas ferramentas ao seu dispor que podem ser usadas em uma longa batalha comercial. A China, por enquanto, diz que não pretende começar uma guerra cambial, mas quando se trata de briga por liderança comercial, não é só Trump que é imprevisível.

Refugiado deportado por engano expõe falha em política migratória da Alemanha

Novo bloqueio de Israel à Gaza aumenta temor de conflito de maiores proporções

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Superação será fator decisivo na final da Copa entre França e Croácia

Trump visita May no Reino Unido mas tenta fugir dos protestos em Londres

Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

Secretário de Defesa americano dá prosseguimento a negociações diplomáticas em viagem pela Ásia

Fragilizada, Merkel tenta resolver conflito migratório em cúpula da UE

Com jogadores mais altos, Sérvia vai apostar em bolas aéreas contra o Brasil

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu