rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Canadá Tiroteio Grupo Estado Islâmico

Publicado em • Modificado em

Detido suspeito de matar quatro pessoas a tiro no leste do Canadá

media
Tiroteio em Fredericton, no leste do Canadá, matou quatro pessoas. REUTERS/Dan Culberson

Quatro pessoas morreram num tiroteio nesta sexta-feira (10), em Fredericton, no leste do Canadá, segundo a polícia local. Um suspeito foi detido. O ato foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico, mas as autoridades disseram não haver provas disso.


Entre os quatro mortos, dois são policiais.

O bairro de Brookside, no centro de Fredericton, cidade com 60 mil habitantes, situada em Nouveau-Brunswick (leste), foi isolado, e a polícia prossegue investigando a ocorrência, informou a corporação no Twitter.

"O tiroteio deixou pelo menos quatro mortos. Neste momento, podemos confirmar que temos um suspeito detido e que não há mais ameaça para o público", indicou a polícia.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, reagiu de imediato à notícia. "Meus sentimentos estão com todos os que foram afetados pelo tiroteio esta manhã. Acompanharemos a situação de perto", tuitou o premiê.

De acordo com o canal de televisão pública CBC, uma testemunha disse ter visto um homem armado com um fuzil abrir fogo de uma janela contra o pátio de um edifício. A polícia ainda não confirmou a informação.

As autoridades pediram para que a população evitasse a zona, um bairro residencial perto de uma pequena área comercial. A polícia também pediu que não sejam divulgadas informações que revelem o local exato do tiroteio, para que as investigações não sejam prejudicadas.

Extremistas reivindicam
 
O tiroteio foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI), mas a Polícia afirmou que não tinha provas que apoiassem essa reivindicação. A província de Nouveau-Brunswick já havia vivenciado um tiroteio mortal em junho de 2014.

Três integrantes da polícia montada do Canadá foram fuzilados na rua, em Moncton, a principal cidade de Nouveau-Brunswick. O assassino foi condenado a 75 anos de prisão, a sentença mais rígida já imposta a uma pessoa na história recente do Canadá.