rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Venezuela Equador Peru

Publicado em • Modificado em

Equador exige passaporte, mas facilita passagem de venezuelanos para o Peru

media
Venezuelanos em uma estrada do Equador (21/08/18). REUTERS/Andres Rojas

O Equador abriu um corredor humanitário para facilitar a passagem de ônibus levando centenas de imigrantes venezuelanos que pretendem chegar ao Peru antes que entre em vigor, no sábado (25), as restrições para sua entrada nesse país, anunciou o governo de Quito.


"São 35 ônibus neste momento no corredor humanitário e vamos continuar até onde for possível", declarou à imprensa o ministro do Interior equatoriano, Mauro Toscanini, em Macas (sudeste), onde ocorre uma reunião ministerial.

O governo de Lenín Moreno decidiu facilitar o transporte dos venezuelanos apesar de ter imposto a necessidade de passaporte na semana passada, uma medida que o Peru vai utilizar a partir das primeiras horas deste sábado.

Proteção policial

O funcionário não informou quantos venezuelanos serão levados de ônibus para a localidade fronteiriça de Huaquillas (sul), em viagens de ida e volta com proteção policial.

Nos veículos, viajam venezuelanos que não têm passaporte.

O ministro indicou ainda que, uma vez na fronteira, "a questão de aceitá-los ou não é do Peru".

Equipe da ONU

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse ao chanceler colombiano, Carlos Holmes Trujillo, que irá criar uma equipe para garantir que a resposta regional à crise na Venezuela seja bem coordenada, anunciou nesta sexta-feira (24) seu porta-voz.

No entanto, Guterres não atenderá ao pedido do ministro das Relações Exteriores da Colômbia de nomear um enviado especial da ONU para a Venezuela, segundo fontes da organização.

Durante a reunião na sede da ONU na quinta-feira (23), Guterres "disse que vai criar um mecanismo de coordenação interna para garantir que a resposta regional da ONU seja bem coordenada", declarou o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

A equipe que a ONU estabelecerá para a Venezuela incluirá especialistas de sua agência de refugiados e da Organização Internacional para as Migrações, entre outras dependências do organismo mundial.