rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Greve geral contra política econômica de Macri paralisa Argentina

Desde a meia-noite desta terça-feira (25), a Argentina enfrenta a sua quarta e mais contundente greve geral em quase três anos de governo do presidente Mauricio Macri. O país está completamente paralisado. Os grevistas são contra a política econômica de Macri, que está em Nova Iork para a Assembleia Geral da ONU com uma agenda paralela para tentar convencer investidores, executivos, banqueiros e analistas sobre o futuro promissor da economia argentina.

 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

A Argentina vive um dia de completa paralisação. Não há nenhum meio-de-transporte público: nem ônibus, nem metrô, nem trens. Pelo menos 15 milhões de pessoas estão sendo afetadas pelo movimento. Nos aeroportos, todos os voos nacionais ou internacionais foram cancelados, o que pode prejudicar 77 mil passageiros afetados, sendo que 37 mil têm viagens internacionais marcadas em 660 voos. Não há transporte de caminhões, bancos, comércios, escolas, universidades e repartições públicas foram fechadas.

Quem tenta usar o próprio carro para circular pode ficar preso nos principais acessos a Buenos Aires, já que as ruas e as avenidas foram bloqueadas pelos manifestantes. A greve deve causar um prejuízo de US$ 850 milhões ao país, o equivalente a 0,2% do PIB, segundo o próprio governo. Na verdade, alguns setores começaram a greve já na segunda-feira (24). Movimentos sociais, partidos de esquerda e sindicatos de trabalhadores do Estado bloquearam avenidas e marcharam em protesto contra o governo.

Líderes sindicais questionam política do governo

Os líderes sindicais questionam a política econômica do governo e exigem reposição salarial e também rejeitam o acordo com o FMI. Neste ano, os sindicatos que melhor negociaram reajustes salariais, conseguiram 25% de aumento, mas a inflação deve fechar o ano entre 42 e 45%.

Os economistas preveem que, por mais reposição que houver, os salários devem perder cerca de 10% do poder de compra. O desemprego subiu quase um ponto, de 8,7% a 9,6%. Mas a cifra ainda não considera o pior da crise nestes últimos cinco meses quando o peso argentino perdeu 50% do seu valor em relação ao dólar. Foi a moeda emergente mais castigada.

Para o governo, essa greve tem motivação política. Os sindicatos mais combativos são ligados à oposição. Um dos líderes sindicais, Pablo Micheli, por exemplo, anunciou horas atrás que "vão fazer todas as greves necessárias" e que "ou este modelo econômico cai ou essas pessoas deixam o governo". É uma mensagem contraditória com o objetivo do presidente Mauricio Macri, que tenta convencer o exterior de que a Argentina entrou numa fase de estabilidade econômica.

O presidente argentino está em Nova Iork para a Assembleia Geral da ONU, mas a prioridade do governo nesta viagem passa mais pela agenda paralela em reuniões com os principais agentes econômicos de Wall Street. O chefe de Estado reuniu-se com investidores, banqueiros, empresários e analistas para anunciar que "o pior já passou" e que "a Argentina começa uma recuperação econômica".

Intervenção na Venezuela

No jantar oferecido pelo seu amigo, Donald Trump, Macri sentou-se ao lado da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. É possível que até sexta-feira haja o anúncio de um novo acordo financeiro com o FMI. Para o governo, ao contrário do que os grevistas acusam, o acordo com o FMI é um aval às medidas adotadas para numa nova fase de confiança e de estabilidade que permita justamente aliviar a tensão social no país.

Essa deve ser a mensagem de Macri também durante o discurso na ONU. Macri deve anunciar que a situação econômica foi estabilizada e que o país volta a crescer a partir do ano que vem. PO presidente argentino deve mostrar como o país está lutando contra a corrupção e deve pedir uma intervenção humanitária na Venezuela, em vez de uma militar. Argentina, Chile, Colômbia e Peru têm pronta uma demanda na Corte Penal Internacional contra o venezuelano Nicolás Maduro por delitos de lesa humanidade.

Antes do discurso, os presidentes de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai vão-se reunir para analisarem os avanços nas negociações de livre comércio do Mercosul com a União Europeia, com a Associação Europeia de Livre Comércio, com o Canadá, com Cingapura, com a Coreia do Sul e talvez com o Japão. São todas negociações que o Mercosul pretende fechar em breve.

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE