rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Estados Unidos Irã

Publicado em • Modificado em

Sanções de EUA contra Irã não poderão afetar setor humanitário

media
Membros da Corte Internacional de Justiça durante um depoimento no caso sobre violação do Tratado de 1955 entre Irã e Estados Unidos, em 27 de agosto de 2018. REUTERS/Piroschka van de Wouw

A Corte Internacional de Justiça, o principal órgão judiciário das Nações Unidas, exigiu nesta quarta-feira (3) que os Estados Unidos ponham fim às sanções contra Teerã que visam produtos para fins humanitários, como medicamentos e produtos alimentícios e agrícolas. As sanções também não devem colocar em risco a aviação civil do país.


A decisão dos juízes da Corte Internacional, baseada em Haia, na Holanda, é uma vitória para o regime iraniano e foi adotada por unanimidade.  Com a retomada das sanções ao país, devido a retirada de Washington do acordo firmado em 2015 sobre o programa nuclear iraniano, o Irã acusa os Estados Unidos de violar um tratado assinado em 1955 entre os dois países sobre "amizade, comércio e direitos consulares".  

As sanções retomadas por Donald Trump contra o Irã, que incluem "restrições à importação e à compra necessária com fins humanitários (...) correm o risco de prejudicar gravemente a saúde e a vida das pessoas que estão no território iraniano", destacou a Corte da ONU.

O Irã iniciara uma batalha judicial na CIJ, acusando o governo dos Estados Unidos de "asfixiar" sua economia. Em maio, o presidente Donald Trump retirou o seu país do acordo, assinado entre o Irã e as grandes potências, no qual a República Islâmica se compromete a não produzir armamento atômico.

Revés para Washington

As sanções impostas pelos americanos incluíam o bloqueio de transações financeiras e das importações de matérias-primas, além de medidas de punição para as compras nos setores automotivo e da aviação comercial.

A decisão de hoje é um revés para Washington que, no entanto, rejeitou firmemente a jurisdição da Corte Internacional de Justiça neste caso.

A ordem do tribunal internacional é "um novo sinal que confirma claramente que a República Islâmica do Irã está em seu direito", disse o Ministério das Relações Exteriores iraniano em um comunicado.

A decisão da CIJ vem em meio à tensão crescente entre o Irã e os Estados Unidos. Na semana passada, o presidente Donald Trump prometeu na Assembleia Geral da ONU novas medidas punitivas "mais duras do que nunca, para neutralizar o mau comportamento do Irã ", acusado por ele de desestabilizar o Oriente Médio.