rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Furacão Estados Unidos Catástrofes naturais

Publicado em • Modificado em

Passagem de furacão Michael pela Flórida é iminente

media
Imagem do olho do furacão Michael nesta quarta-feira (10). NOAA NWS National Hurricane Center

A Flórida, em estado de emergência declarado pelo presidente Donald Trump, aguarda nesta quarta-feira (10) a passagem do furacão Michael. O ciclone atingiu a categoria 4 e se tornou um fenômeno "extremamente perigoso" para a população.


Michael deve tocar a terra nas próximas horas em uma área próxima da divisa com o estado do Alabama, antes de seguir a trajetória para o Atlântico. Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC), os ventos alcançam até 210 km/h. Os meteorologistas esperam uma maré de até 4 metros em algumas áreas.

"O furacão Michael é um fenômeno sem precedentes e não pode ser comparado com nenhum dos anteriores. Não arrisque sua vida, saia agora se você recebeu a ordem para fazer isto", afirma um comunicado do Serviço Meteorológico Nacional. Será a tempestade mais potente em mais de 100 anos em algumas regiões, alertou o serviço de emergências do estado.

As medidas de evacuação envolvem 120 mil pessoas no condado de Bay, 500 mil em todo o estado. O arquipélago de Keys, no extremo sul da Flórida, sofreu fortes chuvas desde terça-feira de manhã anunciando o furacão. Cerca de 2.500 soldados da guarda nacional estão mobilizados para atender às emergências.

Serviços de emergência estão a postos

Segundo informações do Gazeta News, jornal da comunidade brasileira nos Estados Unidos, empresas de serviços de telecomunicações liberaram gratuitamente o acesso ao wi-fi na região, para ajudar os residentes e o pessoal de emergência a permanecerem conectados após a tempestade. "O Departamento de Transportes da Flórida preparou geradores de reserva para suporte de sinal de tráfego", informa o jornal.

A Cruz Vermelha americana e o Exército da Salvação estão a postos para dar assistência aos moradores depois da tempestade.

Na terça-feira (9), o presidente Donald Trump emitiu uma declaração de estado de emergência para a Flórida, o que permite liberar material e recursos federais. Depois da Flórida, Michael pode afetar áreas da Geórgia e novamente a Carolina do Norte e do Sul, já atingidas pelo furacão Florence no mês passado, disse o presidente. Florence deixou 40 mortos e provocou danos avaliados em bilhões de dólares. A governadora do estado vizinho do Alabama, Kay Ivey, decretou estado de emergência na segunda-feira (8).

Prazo de inscrição para eleições é prolongado

O Partido Democrata apresentou um pedido para exigir do governo que prolongue em uma semana o prazo de registro para votação nas eleições de meio de mandato de novembro, que acabava na terça-feira. A autoridade eleitoral da Flórida determinou que os escritórios locais aceitem novos registros de eleitores até um dia depois da reabertura após o estado de emergência.

Andrew Gillum, prefeito democrata de Tallahassee, capital do estado, investiu em medidas de prevenção para evitar cortes de energia prolongados. Ele quer se tornar o primeiro governador negro da Flórida, mas enfrenta a concorrência de Ron DeSantisum, um ardente partidário de Trump.

No ano passado, uma série de furacões catastróficos atingiu o Atlântico ocidental. Os mais devastadores foram Harvey no Texas, Irma no Caribe e Flórida e Maria, que atingiu o Caribe e deixou quase 3.000 mortos no território americano de Porto Rico.

A temporada de furacões no Atlântico termina em 30 de novembro.