rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Ódio é o maior catalisador na eleição de meio de mandato nos EUA

Por RFI

Os americanos vão às urnas entusiasmados nesta terça-feira (6) para eleger 435 novos deputados, 35 senadores e 36 governadores na votação de meio de mandato. A eleição é considerada um referendo à gestão de Donald Trump, dois anos após sua vitória eleitoral, e pode mudar o equilíbrio de poder entre republicanos e democratas, além de redefinir os próximos dois anos do governo Trump.

Nathalia Watkins, correspondente em Washington

Nestas eleições estão em jogo o crédito político de Donald Trump, sua capacidade de mobilizar a base eleitoral e o sucesso da segunda metade de seu governo, o que vai impactar na campanha para a reeleição de 2020. A ocasião serve também de termômetro eleitoral para os democratas, dois anos após a derrota de Hillary Clinton. O Congresso – composto da Câmara e do Senado – está hoje sob o controle do Partido Republicano. Os conservadores também controlam a maioria dos governos regionais.

Se os democratas conquistarem o controle da Câmara de Representantes, como apontam as pesquisas, terão a capacidade de bloquear a agenda legislativa de Trump, uma vez que todas as leis devem ser aprovadas pelas duas Casas do Congresso. Isso prejudica os planos do republicano e enfraquece sua legenda, além de colocar Trump sob escrutínio democrata. Caso Trump consiga manter o controle sobre ambas as Casas, o caminho ficará livre para a implementação de sua agenda. O mais provável, contudo, é um Congresso dividido e impasses políticos que impedirão o avanço de reformas significativas.

Historicamente, o partido que governa a Casa Branca costuma sofrer nas eleições de meio mandato de um presidente. Em 2010, os democratas de Barack Obama perderam o controle da Câmara de Representantes e em 2014 também perderam o Senado aos republicanos. Desta vez, os democratas são os favoritos para retomar o controle sobre a Câmara, enquanto que republicanos são favoritos para manter o controle sobre o Senado.

De acordo com a média das pesquisas do site Real Clear Politics, os republicanos ganharão uma cadeira no Senado, e aumentarão sua maioria para 52. Já os democratas perderão uma, indo para 48. Mas na Câmara dos Representantes os democratas ganharão 26 novas cadeiras, duas a mais do que precisam para ficar com a maioria da Casa. Espera-se também que democratas consigam eleger um maior número de governadores.

Voto feminino deve impactar republicanos

A campanha deste pleito foi centrada em Donald Trump, que multiplicou seus comícios em apoio a republicanos em distritos disputados, apesar de ter dito que, se a legenda perder sua maioria na Câmara de Representantes, o presidente não poderá ser o culpado.

As eleições são marcadas por uma maior presença feminina, como eleitoras e candidatas. Ao todo, 257 mulheres disputam vagas na Câmara e no Senado, um recorde em eleições de meio de mandato, de acordo com o Center for American Women and Politics da Universidade Rutgers (CAWP), de New Jersey. O voto feminino pode fazer a diferença contra o campo republicano.

Trump e seus alidos subiram o tom no discurso de pulso firme contra a imigração e comemoraram os bons resultados da economia. O voto nos Estados Unidos é facultativo e a principal batalha dos candidatos é levar os eleitores às urnas. Mas, desta vez, isso pode mudar.

Segundo uma pesquisa do Instituto Pew, mais de 70% do eleitorado se diz entusiamado com o pleito, o que é um recorde nas últimas duas décadas. O entusiasmo também foi refletido nos gastos com a campanha que, pela primeira vez, devem chegar a US$ 5 bilhões.

Para o cientista político Kyle Kondik, da Universidade de Virgínia, a raiva é o maior catalisador de votos desta eleição. Isso explica, em parte, porque os democratas conseguiram atrair uma massa heterogênea de outsiders políticos, como contrapeso à política e aos discursos excessivos de Trump.

Itália propõe à França seu know-how para restauração da Notre-Dame

União Europeia adia Brexit para 31 de outubro, data da festa de Halloween

Netanyahu caminha para 5° mandato em Israel com apoio de nacionalistas e ultraortodoxos

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Israel: Netanyahu deve perder eleições mas continua no poder se formar coalizão

“Bolsonaro começa a entender que precisa dialogar com legislativo”, diz analista

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Comemoração de golpe militar no Brasil gera desconforto nos países vizinhos

Escalada de violência na região de Gaza esquenta campanha eleitoral em Israel

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL