rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bolsonaro influencia países vizinhos que elegem presidentes em 2019

O efeito Bolsonaro começa a ganhar contornos nos países sul-americanos que terão eleições para presidente em outubro do ano que vem: Argentina, Bolívia, Uruguai. O pesselista ganha fãs, mas também faz inimigos na região. 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

Começam a surgir candidatos que se dizem fãs do brasileiro, que esboçam discursos de combate à violência com o uso da mão de ferro, que pregam um fortalecimento das Forças Armadas e que dizem agora, com menos pudor, aquilo que antes evitavam dizer, mas também a esquerda começa a reagir contra um avanço da direita.

A maior surpresa pode vir do Uruguai. O ex-presidente José Mujica poderia aceitar ser novamente candidato nas eleições do ano que vem. Em agosto passado, com 83 anos, Mujica renunciou ao cargo de senador por questões de saúde e de idade. Porém, num país sem reeleição e diante da onda de vitórias da direita na região que pode quebrar na praia uruguaia, os militantes que já vinham pedindo para Mujica rever a sua decisão de sair da política, redobraram o pedido.

Depois da vitória de Bolsonaro, Mujica surpreendeu. Num movimento repentino, disse que fará uma bateria de exames médicos para definir se será candidato. A eleição do pesselista assustou a coligação Frente Ampla do Uruguai e funcionou como um incentivo para Mujica fazer esse último esforço depois de já ter governado o país entre 2010 e 2015. Se realmente se candidatar e ganhar, vai terminar o seu mandato dois meses antes de completar 90 anos de idade.

"No final de 2019, Argentina, Bolívia e Uruguai vão às urnas e o fenômeno político brasileiro pode influenciar nessas eleições", disse à RFI o cientista político argentino, Rosendo Fraga, diretor do centro de estudos União Para a Nova Maioria.

Bolsonaro, inimigo preferido da esquerda

Entre os próximos dias 19 e 23, aqui em Buenos Aires, acontecerá o "Foro do Pensamento Crítico". As estrelas serão os ex-presidentes José Mujica, Dilma Rousseff e Cristina Kirchner. Também estarão Fernando Haddad, Manuela D'ávila, Guilherme Boulos, além de vários representantes da esquerda mundial. Um dos principais pontos de debate será a vitória de Jair Bolsonaro que causou surpresa generalizada.

"Bolsonaro caricaturiza a direita. A esquerda está triste porque perdeu no Brasil, mas está feliz porque Bolsonaro é o estereótipo da direita autoritária, desrespeitosa, homofóbica, violenta e racista. Com um inimigo assim, a esquerda espera ter vantagens eleitorais", explica à RFI Patricio Navia, sociólogo e cientista político chileno da Universidade de Diego Portales e da New York University.

"Bolsonaro não será um líder unificador. Será um líder agressivo que usará a estratégia da confrontação. Um Bolsonaro radical pode terminar ajudando a sobrevivência dos regimes venezuelano e nicaraguense. Bolsonaro é o inimigo favorito para os líderes de esquerda da América Latina", define Navia.

Fã boliviana de Bolsonaro

Na Bolívia, a deputada conservadora, Norma Piérola, lançou a sua candidatura, declarando-se fã de Bolsonaro. A deputada e dois ex-presidentes tentam evitar o quarto mandato consecutivo de Evo Morales, quem está no poder há quase 13 anos.

Piérola agradeceu Bolsonaro por "revelar os comportamentos criminosos" dos ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff e os "acordos secretos" do PT com o governo de Evo Morales.

Outra ala do mesmo Partido Democrata Cristão (PDC) da deputada lançou o candidato Paz Zamora, de 79 anos, quem governou a Bolívia entre 1989 e 1993, com apoio do ex-ditador Hugo Banzer, falecido em 2002. Aos 79 anos, Paz Zamora opõe-se a um novo mandato de Morales até 2025.

"Quem quiser andar armado, que ande armado"

Na Argentina, um candidato como Bolsonaro que defende a ditadura e que reivindica a tortura, não teria a menor chance. Mas, pelo lado do porte de armas, da mão de ferro e até pelo lado de fortalecer as Forças Armadas, surgiram vozes coincidentes entre as lideranças políticas.

A ministra da Segurança, Patricia Bullrich disse que "quem quiser andar armado, que ande armado" porque "a Argentina é um país livre".

O presidente Macri, candidato à reeleição, anunciou que quer endurecer as leis de imigração. A oposição peronista que tentará derrotar Macri nas urnas também. O senador Miguel Pichetto, líder do peronismo no Senado e pré-candidato à presidência, defende um endurecimento da lei de imigração.

No calor da vitória de Bolsonaro, Pichetto também disse que é hora de "reconstruir as Forças Armadas argentinas" porque "o país tem uma estrutura militar totalmente desmantelada" e porque "a ditadura já acabou com culpados todos presos".

O autoritarismo pode ganhar força pelo lado do combate à violência. "É possível que, a partir do novo governo brasileiro, em vários países, tentem aplicar políticas rígidas de 'mão dura' em matéria de segurança pública", prevê Rosendo Fraga.

Escudo anti-Bolsonaro para o Mercosul

Os primeiros movimentos do presidente eleito do Brasil indicam uma mudança significativa na prioridade da política externa do país em relação aos países vizinhos. Perde relevância o Mercosul, plataforma de inserção comercial brasileira durante os últimos 27 anos e eixo da integração regional.

O objetivo do governo Bolsonaro de negociar acordos comerciais de forma bilateral com o mundo, quando, por força da União Alfandegária do Mercosul, as negociações só podem ser em bloco, acendeu o alerta entre os países sócios do Brasil, mas também entre os negociadores da União Europeia.

Os negociadores de ambos os blocos ouvidos pela RFI indicaram que o objetivo agora é tentar fechar um acordo político antes da posse de Bolsonaro. Esse compromisso seria o ponto de inflexão, depois do qual as negociações ficam irreversíveis. Poderia haver negociações paralelas à reunião de líderes do G20 aqui em Buenos Aires nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro.

Os países entendem que o acordo com a União Europeia impediria que o Mercosul recuasse ao status de Zona de Livre Comércio que também não interessa aos europeus. Assim, o compromisso com a União Europeia poderia ser o escudo anti-Bolsonaro e salvar o Mercosul.

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas

Em duelo político, Maduro e Guaidó promovem shows na fronteira entre Colômbia e Venezuela

Em cúpula sobre pedofilia, papa pede que Igreja encare a "praga dos abusos sexuais"

Cem empresários argentinos começam a depor no processo "Cadernos da Corrupção"