rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil- América Latina
rss itunes

Nipo-brasileiros falam da herança cultural japonesa na Bolívia

Japoneses chegaram ao país em 1896 e depois da Primeira e Segunda Guerra, quando governo cedeu terras para os imigrantes

Elianah Jorge, correspondente da RFI em Santa Cruz de la Sierra

Lucas Tamashiro é um reconhecido “influencer” na Bolívia. Ele e seu primo, Giovani Brasil, são dois dos poucos brasileiros da comunidade nipo-boliviana. Os avós japoneses chegaram há 64 anos na Bolívia, buscando melhores oportunidades depois da Segunda Guerra Mundial. O pai de Lucas e a mãe de Giovani foram fazer faculdade no Brasil e voltaram casados do país. Para Lucas, sua herança cultural é única. “Não conheço outros nipo-brasileiros aqui”, diz.

Lucas nasceu em Viçosa, Minas Gerais, e ainda bebê veio para Santa Cruz de la Sierra com a mãe brasileira e o pai nipo-boliviano. Já Giovani Brasil tem a nacionalidade brasileira por parte de pai e a japonesa por parte da mãe, além de ser boliviano de nascimento. “Sou mais boliviano-japonês. Minha mãe, que é japonesa, me ensina sobre a pontualidade, o planejamento. Estou acostumado com isso”, conta Giovani que morou por dois anos no Japão com o pai brasileiro.

O início da imigração japonesa na Bolívia

A chegada massiva de japoneses na Bolívia aconteceu a partir de 1896, na Era Meiji, quando os japoneses foram autorizados a deixar o país natal e depois da Primeira e Segunda Guerra Mundial. Os avós de Lucas e de Giovani vieram no terceiro grupo. Com o Japão devastado no pós-guerra e a Bolívia distribuindo terras, muitos japoneses decidiram tentar uma nova vida do outro lado do mundo, na América do Sul.

A história do surgimento dos nipo-bolivianos levou o médico Mario Gabriel Hollweg, nascido na Bolívia e formado no Brasil, a escrever o livro “Japoneses pioneiros no oriente boliviano”, onde ele relata a trajetória dos imigrantes. “A terra onde se estabeleceram os primeiros colonos japoneses era uma terra habitada pelos indígenas. Chegar lá não foi fácil. A primeira colônia se chamava Uruma. Havia muita expectativa, principalmente depois da Segunda Guerra Mundial”, declara.

Com ajuda financeira do Japão, foram criadas no departamento de Santa Cruz, que faz fronteira com o Brasil, as colônias Okinawa 1, 2 e 3 e a de San Juan de Yapacaní, onde os costumes japoneses até hoje são preservados. Parte da família de Lucas e de Gabriel mora na Okinawa boliviana. Lucas se refere ao local como uma “roça”. Segundo ele, é como se estivessem visitando Okinawa, no Japão.

“Tem campeonato de sumô, o festival do arroz. Os japoneses que moram aqui na cidade são diferentes dos que moram na roça, que só conversam em japonês”. De acordo com Hollweg, os Estados Unidos são o país com maior número de imigrantes japoneses, seguido pelo Brasil e pelo Peru. Alguns do grupo peruano decidiram vir para a Bolívia. “Alguns foram para a Amazônia boliviana e um grupo grande ficou em La Paz. Muitos se tornaram comerciantes, outros ficaram trabalhando nas vias férreas, fazendo suas vidas”, diz.

De volta para o Japão

O agricultor japonês Kunio Miyagi, chegou à Bolívia quando tinha apenas dois anos. “Meu pai conta que o governo ofereceu 50 hectares de terra. Era uma oferta muito atraente”, diz. O terreno que os pais de Kunio ganharam ao chegar na colônia em Santa Cruz até hoje é o ganha-pão da família Miyagi. Ele e outros nipo-bolivianos são responsáveis por boa parte da produção de leguminosas e de ovos nacional.

Já adulto, Kunio voltou a morar no Japão, mas não se adaptou aos costumes da terra natal e preferiu voltar à Bolívia. “Um boliviano vive o dia a dia. Já os japoneses considero como pessoas mais disciplinadas. Em relação aos brasileiros, somos alegres, descontraídos. Juntar tudo isso é complicado”.

 

Os primos Giovani Brasil e Lucas Tamashiro. (Foto: E. Jorge/RFI Brasil)
Giovani Brasil faz parte dos poucos brasileiros na comunidade nipo-boliviana. (Foto: E. Jorge/RFI Brasil)
AL Kunio Miyagi e Dr. Mario Gabriel. E. Jorge
O médico Mario Gabriel Hollweg, nascido na Bolívia e formado no Brasil E. Jorge

"Não existe espaço para um Bolsonaro na Argentina", diz autor de livro sobre o brasileiro

Brasileira investe em "Parada Inteligente", rede de lojas de conveniência na Venezuela

Jovem da Baixada Fluminense realiza sonho de estudar na universidade Sorbonne em Paris

Insegurança, penúria, inflação galopante: brasileira relata o cotidiano em um bairro popular de Caracas

Mendoza, capital do vinho argentino, vive 'boom' de turistas brasileiros

Empresária brasileira vê o Caribe como porta de entrada para mercado europeu

Brasil pega onda no surfe para conquistar público jovem da América do Sul

Policiais argentinos voltam às praias de Santa Catarina para atender turistas

Brasil quer tirar do Caribe os turistas argentinos que viajarem no verão

Brasil faz primeira ação coordenada de turismo LGBT no mercado internacional

Cruzamento de dados da Lava Jato e da Cadernos da Corrupção pode revelar novos crimes

Na história da seleção argentina, a grande co-protagonista é a brasileira

“Se saísse um empate, eu ficaria feliz”: sem rivalidade, brasileiros torcem pela Argentina