rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Investigação Resgate Argentina Submarino

Publicado em • Modificado em

Rebocar submarino argentino poderia prejudicar investigação, diz juíza

media
Familiares dos 44 marinheiros mortos na tragédia com o Ara San Juan fizeram manifestações neste sábado (17) em Mar del Plata para pedir o reboque do submarino. REUTERS/Marina Devo

Enquanto as famílias dos 44 tripulantes do Ara San Juan pressionam o governo a trazer o submarino à tona, para resgatar os corpos das vítimas, o ministro da Defesa argentino, Oscar Aguad, insistiu neste domingo (18) que não vê "nenhuma viabilidade técnica" para a operação.


O ministro foi cauteloso ao dizer que não há uma decisão tomada a esse respeito, mas ele acredita que não existam no mundo "ferramentas tecnológicas para realizar uma operação bem-sucedida" de remoção do submarino. O equipamento foi localizado neste sábado (17) a 907 metros de profundidade no Oceano Atlântico, a 400 km da costa argentina.

Aguad disse não ignorar a dor dos familiares das vítimas, ainda mais neste momento de luto. Mas o ministro lembrou que o governo de Mauricio Macri terá de pagar US$ 7,5 milhões à empresa americana Ocean Infinity, responsável pela descoberta da carcaça, um ano depois da provável implosão do equipamento. "Nesse momento do país [em crise financeira], é uma soma importante", argumentou o ministro da Defesa.

Juíza tem receio de remoção prejudicar investigações

A juíza federal Marta Yanez, encarregada das investigações sobre o acidente, também não demonstra entusiasmo com a remoção. "É uma embarcação que está repleta de água e pode pesar até 2.500 toneladas. Prefiro não correr o risco de rebocá-lo até a superfície, porque poderia se partir em pedaços", declarou a juíza.

Por outro lado, ela apressou os oficiais da Marinha que estão a bordo do navio Seabed Constructor, da empresa americana, a entregar à justiça as 67 mil imagens feitas pelo robô submarino que localizou o submarino. As fotos podem ajudar a esclarecer as causas do acidente.

O ministro da Defesa salientou que as imagens feitas pelo robô serão minuciosamente analisadas. "Na próxima semana vamos receber um relatório técnico com detalhes suficientes e vamos ver como a investigação será realizada", explicou.

Apesar da desconfiança das famílias das vítimas, que suspeitam que o governo esteja escondendo informações que poderiam ser comprometedoras para a Marinha, o ministro Aguad reafirmou que o governo quer "saber a verdade" do que aconteceu com o Ara San Juan.