rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Os bolivianos fazem nesta quinta-feira (6) uma greve geral em várias cidades do país contra a candidatura de Evo Morales às eleições primárias, em janeiro de 2019, que vão definir os candidatos para a corrida presidencial. O atual chefe de Estado da Bolívia quer ser reeleito para o quarto mandato, ignorando o resultado do referendo de 2016, no qual a maioria da população afirmou que não quer que ele volte a concorrer à presidência. 

Elianah Jorge, correspondente da RFI na Bolívia

Os bolivianos estão indignados porque as candidaturas de Evo Morales e do vice-presidente Alvaro García Linera foram aceitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os opositores convocaram há dias a greve geral desta quinta-feira, prevendo que o TSE anunciaria até sábado (8) se daria ou não permissão para a dupla Morales-Linera participar da eleição.

Porém, o TSE se antecipou e confirmou na noite de terça-feira (4) que ambos estão habilitados para concorrer às eleições primárias. Mesmo tendo sido pega de surpresa, a população manteve o protesto, que pretende parar o país.

Reforçando a pressão sobre o governo, centenas de pessoas que marcharam durante vários dias pelas principais estradas da Bolívia chegaram à sede do TSE em La Paz. Os opositores vão aproveitar a greve geral para recolher assinaturas pedindo a impugnação da candidatura de Morales.

No poder desde 2006, Morales bateu o recorde como o chefe de Estado há mais tempo na presidência da Bolívia

Criação das primárias

As eleições primárias foram criadas para que cada partido político defina internamente quais são os candidatos à presidência que participarão da eleição geral, prevista para o final do ano que vem. Outra mudança polêmica no sistema eleitoral foi a inscrição de eleitores como militantes de partidos políticos contra a vontade deles.

Essa situação aumentou ainda mais a desconfiança dos bolivianos sobre a transparência do sistema eleitoral do país. Além disso, foi criada uma brecha na Constituição que permitirá que Morales concorra pela quarta vez consecutiva à presidência, o que antes era ilegal.

A população afirma que a democracia na Bolívia está em risco após o TSE ignorar o resultado do referendo de 2016 e aceitar a candidatura de Evo Morales. Os opositores afirmam o país está em vias de se tornar uma Venezuela, em referência às recentes manobras feitas por Nicolás Maduro para permanecer no poder.

Candidatura é levada à audiência

Na quarta-feira, enquanto a população se organizava para a greve geral na Bolívia, uma audiência pública era realizada na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em Washington, sobre a quarta candidatura de Morales.

Os opositores alegam que reeleger Evo Morales pode representar um risco para o povo boliviano. Já os partidários do presidente defendem que a candidatura não viola nenhum direito, já que a decisão final será feita nas urnas através do voto popular. No entanto, a presidente da CIDH, Margarette May Macaulay, pediu tempo para avaliar o caso e chegar a uma conclusão. 

De acordo com uma pesquisa feita entre 17 e 20 de novembro e divulgada pelo jornal boliviano Página Siete, o ex-presidente e atual candidato Carlos Mesa (2003-2005) tem cinco pontos de vantagem sobre Evo Morales. Mesa, da coligação Comunidade Cidadã, ganharia 34% dos votos, contra os 29% de Morales, do partido Movimento ao Socialismo (MAS).

O atual presidente frequentemente afirma que é o povo quem deseja sua reeleição. No entanto, recentemente, ele entrou em contradição e garantiu que gosta de estar no poder.

Itália propõe à França seu know-how para restauração da Notre-Dame

União Europeia adia Brexit para 31 de outubro, data da festa de Halloween

Netanyahu caminha para 5° mandato em Israel com apoio de nacionalistas e ultraortodoxos

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Israel: Netanyahu deve perder eleições mas continua no poder se formar coalizão

“Bolsonaro começa a entender que precisa dialogar com legislativo”, diz analista

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Comemoração de golpe militar no Brasil gera desconforto nos países vizinhos

Escalada de violência na região de Gaza esquenta campanha eleitoral em Israel

No Chile, líderes sul-americanos criam PROSUL para substituir a falida UNASUL