rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Os bolivianos fazem nesta quinta-feira (6) uma greve geral em várias cidades do país contra a candidatura de Evo Morales às eleições primárias, em janeiro de 2019, que vão definir os candidatos para a corrida presidencial. O atual chefe de Estado da Bolívia quer ser reeleito para o quarto mandato, ignorando o resultado do referendo de 2016, no qual a maioria da população afirmou que não quer que ele volte a concorrer à presidência. 

Elianah Jorge, correspondente da RFI na Bolívia

Os bolivianos estão indignados porque as candidaturas de Evo Morales e do vice-presidente Alvaro García Linera foram aceitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os opositores convocaram há dias a greve geral desta quinta-feira, prevendo que o TSE anunciaria até sábado (8) se daria ou não permissão para a dupla Morales-Linera participar da eleição.

Porém, o TSE se antecipou e confirmou na noite de terça-feira (4) que ambos estão habilitados para concorrer às eleições primárias. Mesmo tendo sido pega de surpresa, a população manteve o protesto, que pretende parar o país.

Reforçando a pressão sobre o governo, centenas de pessoas que marcharam durante vários dias pelas principais estradas da Bolívia chegaram à sede do TSE em La Paz. Os opositores vão aproveitar a greve geral para recolher assinaturas pedindo a impugnação da candidatura de Morales.

No poder desde 2006, Morales bateu o recorde como o chefe de Estado há mais tempo na presidência da Bolívia

Criação das primárias

As eleições primárias foram criadas para que cada partido político defina internamente quais são os candidatos à presidência que participarão da eleição geral, prevista para o final do ano que vem. Outra mudança polêmica no sistema eleitoral foi a inscrição de eleitores como militantes de partidos políticos contra a vontade deles.

Essa situação aumentou ainda mais a desconfiança dos bolivianos sobre a transparência do sistema eleitoral do país. Além disso, foi criada uma brecha na Constituição que permitirá que Morales concorra pela quarta vez consecutiva à presidência, o que antes era ilegal.

A população afirma que a democracia na Bolívia está em risco após o TSE ignorar o resultado do referendo de 2016 e aceitar a candidatura de Evo Morales. Os opositores afirmam o país está em vias de se tornar uma Venezuela, em referência às recentes manobras feitas por Nicolás Maduro para permanecer no poder.

Candidatura é levada à audiência

Na quarta-feira, enquanto a população se organizava para a greve geral na Bolívia, uma audiência pública era realizada na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em Washington, sobre a quarta candidatura de Morales.

Os opositores alegam que reeleger Evo Morales pode representar um risco para o povo boliviano. Já os partidários do presidente defendem que a candidatura não viola nenhum direito, já que a decisão final será feita nas urnas através do voto popular. No entanto, a presidente da CIDH, Margarette May Macaulay, pediu tempo para avaliar o caso e chegar a uma conclusão. 

De acordo com uma pesquisa feita entre 17 e 20 de novembro e divulgada pelo jornal boliviano Página Siete, o ex-presidente e atual candidato Carlos Mesa (2003-2005) tem cinco pontos de vantagem sobre Evo Morales. Mesa, da coligação Comunidade Cidadã, ganharia 34% dos votos, contra os 29% de Morales, do partido Movimento ao Socialismo (MAS).

O atual presidente frequentemente afirma que é o povo quem deseja sua reeleição. No entanto, recentemente, ele entrou em contradição e garantiu que gosta de estar no poder.

Bolsonaro quer definir texto da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Começa em Madri julgamento histórico de líderes independentistas catalães

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

Ernesto Araújo discute novas prioridades diplomáticas brasileiras nos EUA

Governo interino da Venezuela começa a organizar processo para novas eleições

Nos Emirados, papa Francisco defende cristãos e diálogo com outras religiões

Frio polar atrapalha cotidiano de cerca de 100 milhões de pessoas nos EUA

Novas sanções americanas aumentam importância da China na crise na Venezuela