rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

México Combustíveis Fósseis Escassez Gasolina Tráfico

Publicado em • Modificado em

Luta contra o tráfico de gasolina provoca escassez no México

media
Os mexicanos fazem filas, cada vez maiores, para conseguirem abastecer no país. REUTERS/Fernando Carranza

O México é um grande produtor de petróleo. No entanto, devido à ação do crime organizado, que perfura oleodutos para roubar combustível, o país enfrenta um problema de distribuição que causa uma escassez sem precedentes, afetando várias regiões do centro do país. Os motoristas correm desesperados para encontrar postos que ainda não estejam secos, na frente dos quais se formam longas filas.


Patrick John Buffe, correspondente da RFI no México

Nos últimos dias, os motoristas da capital veem os postos de gasolina fecharem, um após o outro, por falta de gasolina. E aqueles que ainda continuam abertos estão sendo invadidos pelos motoristas. Mas eles têm que ficar na fila por uma ou duas horas antes de poderem reabastecer, enquanto outros motoristas a pé esperam sua vez de encher os latões de combustível.

Consequência de um plano para combater o roubo de combustível

A escassez é consequência do novo plano implementado pelo presidente, López Obrador, para combater o roubo de combustível. Trata-se de um tráfico lucrativo para o crime organizado, que há anos vem perfurando oleodutos para bombear petróleo, ou roubando os veículos da Pemex, empresa pública mexicana que transporta gasolina.

O governo decidiu fechar alguns oleodutos e aumentar o número de caminhões-tanques, agora escoltados pela polícia ou pelo Exército. Isso faz com que a entrega de gasolina aos centros de distribuição se torne mais lenta.

Movimento de pânico

As medidas do governo mexicano provocam a escassez de combustível, amplificada por um movimento de pânico de motoristas, que correram para os postos e bombas de gasolina. As estações de serviço, portanto, viram suas reservas se esgotarem rapidamente, sem possibilidade de reposição imediata, dado o número insuficiente de caminhões-cisternas, veículos responsáveis por transportar o combustível até o local.