rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

O Grupo de Contato Internacional sobre a Venezuela, formado por oito países europeus e quatro latino-americanos, se reúne nesta quinta-feira (7) em Montevidéu, no Uruguai, para tentar discutir e facilitar uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela. No entanto, já existem divergências entre os próprios integrantes, o que aumenta a possibilidade de que os diálogos sejam tensos.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O objetivo declarado do grupo é o de ajudar a Venezuela a encontrar uma saída pacífica e democrática para a crise, através de eleições presidenciais. Os países querem contribuir na criação das condições para esse processo de eleições livres e transparentes. Para isso, propõem o diálogo.

São oito os integrantes europeus: Portugal, França, Reino Unido, Alemanha, Espanha Holanda, Suécia e Itália. Pelo lado dos latino-americanos, está o anfitrião Uruguai, além de Equador, Costa Rica e Bolívia.

O México seria o quinto país da região. Foi um dos que convocou à reunião. No entanto, informou que vai participar do encontro, mas que não vai integrar o grupo.

A Itália participa, mas o país foi o único europeu a não apoiar o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

O Grupo de Contato Internacional terá diferentes fases à medida que obtiver resultados. Eles serão avaliados depois dos 90 dias iniciais - prazo estabelecido para que o grupo apresente progressos que justifiquem a sua continuidade.

Contradições dentro do grupo

É possível que não haja nenhum resultado concreto nesta reunião, mas o começo de uma construção política internacional para caminhos e consensos. A reunião desta quinta-feira não é uma instância de negociação, mas de aproximação.

O problema é que o próprio grupo tem as suas contradições. Em primeiro lugar, nasceu como um grupo de países supostamente neutros em relação à situação política na Venezuela. No entanto, na segunda-feira (4), quase todos os seus integrantes europeus, com exceção da Itália, deram apoio explícito ao opositor Juan Guaidó. Ao mesmo tempo, a Bolívia sempre foi um importante aliado de Nicolás Maduro.

Se o grupo ganhar força e credibilidade diante dos atores internacionais e internos na Venezuela, pode frear a postura mais enfática dos Estados Unidos. Além disso, na reunião de hoje, podem surgir nomes que construam uma ponte de diálogo entre as forças políticas venezuelanas com o fim de distender a situação.

Um dos riscos que o grupo corre é de não chegar a um consenso e acabar reproduzindo internamente a polarização que existe hoje entre os extremos internacionais representados, por um lado, pelo Grupo de Lima em e pelos Estados Unidos em particular, e, por outro, pela Rússia e a China.

Outro risco é que os atores internos na Venezuela não queiram saber de diálogo ao longo desses três meses de duração inicial do grupo. O período é uma eternidade para a atual situação no país.

Por outro lado, há ainda o risco de que Nicolás Maduro se aproveite da boa fé do grupo para ganhar tempo e conseguir desarticular a oposição.

Reação do governo e oposição

Nicolás Maduro é a favor e já disse esperar que o grupo consiga criar uma "mesa de diálogo". Em sintonia com Maduro, a Rússia também apoia o grupo.

Já Juan Guaidó e os países integrantes do Grupo de Lima, entre eles o Brasil, acham que essa forma de diálogo só vai permitir que o presidente venezuelano ganhe tempo. Consideram que essas iniciativas sempre foram usadas por Nicolás Maduro como manobra para dilatar a situação.

Juan Guaidó já avisou que "nunca mais" a oposição na Venezuela vai aceitar um "falso diálogo" que permita a Maduro continuar no poder. O opositor afirmou claramente que rejeitará qualquer diálogo que prolongue o sofrimento da população venezuelana.

Bolsonaro quer definir texto da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Brasil participa de conferência promovida pelos EUA para reforçar coalizão contra Irã

Começa em Madri julgamento histórico de líderes independentistas catalães

Ernesto Araújo discute novas prioridades diplomáticas brasileiras nos EUA

Governo interino da Venezuela começa a organizar processo para novas eleições

Nos Emirados, papa Francisco defende cristãos e diálogo com outras religiões

Frio polar atrapalha cotidiano de cerca de 100 milhões de pessoas nos EUA

Novas sanções americanas aumentam importância da China na crise na Venezuela