rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Divergências no Grupo de Contato sobre Venezuela podem dificultar saída para crise

O Grupo de Contato Internacional sobre a Venezuela, formado por oito países europeus e quatro latino-americanos, se reúne nesta quinta-feira (7) em Montevidéu, no Uruguai, para tentar discutir e facilitar uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela. No entanto, já existem divergências entre os próprios integrantes, o que aumenta a possibilidade de que os diálogos sejam tensos.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O objetivo declarado do grupo é o de ajudar a Venezuela a encontrar uma saída pacífica e democrática para a crise, através de eleições presidenciais. Os países querem contribuir na criação das condições para esse processo de eleições livres e transparentes. Para isso, propõem o diálogo.

São oito os integrantes europeus: Portugal, França, Reino Unido, Alemanha, Espanha Holanda, Suécia e Itália. Pelo lado dos latino-americanos, está o anfitrião Uruguai, além de Equador, Costa Rica e Bolívia.

O México seria o quinto país da região. Foi um dos que convocou à reunião. No entanto, informou que vai participar do encontro, mas que não vai integrar o grupo.

A Itália participa, mas o país foi o único europeu a não apoiar o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

O Grupo de Contato Internacional terá diferentes fases à medida que obtiver resultados. Eles serão avaliados depois dos 90 dias iniciais - prazo estabelecido para que o grupo apresente progressos que justifiquem a sua continuidade.

Contradições dentro do grupo

É possível que não haja nenhum resultado concreto nesta reunião, mas o começo de uma construção política internacional para caminhos e consensos. A reunião desta quinta-feira não é uma instância de negociação, mas de aproximação.

O problema é que o próprio grupo tem as suas contradições. Em primeiro lugar, nasceu como um grupo de países supostamente neutros em relação à situação política na Venezuela. No entanto, na segunda-feira (4), quase todos os seus integrantes europeus, com exceção da Itália, deram apoio explícito ao opositor Juan Guaidó. Ao mesmo tempo, a Bolívia sempre foi um importante aliado de Nicolás Maduro.

Se o grupo ganhar força e credibilidade diante dos atores internacionais e internos na Venezuela, pode frear a postura mais enfática dos Estados Unidos. Além disso, na reunião de hoje, podem surgir nomes que construam uma ponte de diálogo entre as forças políticas venezuelanas com o fim de distender a situação.

Um dos riscos que o grupo corre é de não chegar a um consenso e acabar reproduzindo internamente a polarização que existe hoje entre os extremos internacionais representados, por um lado, pelo Grupo de Lima em e pelos Estados Unidos em particular, e, por outro, pela Rússia e a China.

Outro risco é que os atores internos na Venezuela não queiram saber de diálogo ao longo desses três meses de duração inicial do grupo. O período é uma eternidade para a atual situação no país.

Por outro lado, há ainda o risco de que Nicolás Maduro se aproveite da boa fé do grupo para ganhar tempo e conseguir desarticular a oposição.

Reação do governo e oposição

Nicolás Maduro é a favor e já disse esperar que o grupo consiga criar uma "mesa de diálogo". Em sintonia com Maduro, a Rússia também apoia o grupo.

Já Juan Guaidó e os países integrantes do Grupo de Lima, entre eles o Brasil, acham que essa forma de diálogo só vai permitir que o presidente venezuelano ganhe tempo. Consideram que essas iniciativas sempre foram usadas por Nicolás Maduro como manobra para dilatar a situação.

Juan Guaidó já avisou que "nunca mais" a oposição na Venezuela vai aceitar um "falso diálogo" que permita a Maduro continuar no poder. O opositor afirmou claramente que rejeitará qualquer diálogo que prolongue o sofrimento da população venezuelana.

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte

Zelenski, o ator que virou presidente da Ucrânia, país estratégico para a Europa

Itália propõe à França seu know-how para restauração da Notre-Dame

União Europeia adia Brexit para 31 de outubro, data da festa de Halloween

Netanyahu caminha para 5° mandato em Israel com apoio de nacionalistas e ultraortodoxos

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Israel: Netanyahu deve perder eleições mas continua no poder se formar coalizão

“Bolsonaro começa a entender que precisa dialogar com legislativo”, diz analista

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

Comemoração de golpe militar no Brasil gera desconforto nos países vizinhos

Escalada de violência na região de Gaza esquenta campanha eleitoral em Israel